Blog do Geraldo José - Imprimir Matéria

Petrolina: Acusação de vereador que fura fila nos hospitais esquenta clima na Câmara de Vereadores

publicado em 16 de Maio / 2018 às 07:44 | Variadas

O clima foi tenso ontem (15)  durante a sessão da Câmara de Vereadores em Petrolina. A acusação de prática considerada antiética, o chamado fura-fila nos hospitais públicos foi motivo de discussões e agressões verbais.

O vereador Gabriel Menezes (PSL) acusou os colegas, vereadores Zenildo Nunes, conhecido por Zenilton do Alto do Cocar e Gilberto Melo de "serem um dos responsáveis por favorecimentos na área da saúde de Petrolina". Zenildo rebateu chamando Gabriel Menezes de mentiroso e se defendeu dizendo que "não indica pacientes para ser atendidos nas unidades de saúde de Petrolina".

“Esse pessoal é mentiroso e quero que prove, eu renuncio o meu mandato de vereador.  Fique quieto no seu canto, que eu não tenho medo de Vossa Excelência”, reagiu o vereador. 

Segundo a legislação o ato de usar influência pessoal ou política para conseguir vagas para amigos ou eleitores, realizarem exames, internação e até mesmo cirurgias mais rápido, em alguns casos, pode ser considerado crime.

Semana passada o vereador Ronaldo Souza (PTB), segundo ele, em Petrolina, existem pessoas, que estão tirando o direito de enfermos receberem atendimento, dando lugar a escolhidos por políticos para serem atendidos na frente daqueles que estavam à espera do atendimento. Ronaldo chabou de “Usurpadores” do Sistema Único de Saúde.

“Existem pessoas que são usurpadores do SUS. Vou pedir até ao Ministério Público para investigar as facilidades que uns têm para colocar pessoas na frente, políticos da região. Isso acontece no Hospital Dom Malam e em outras unidades. Tem servidor que recebe telefonema para colocar gente na frente pra fazer cirurgia, se eu soubesse o nome entraria agora com uma ação criminal”, acusou Ronaldo.

Redação blog

© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2018. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.