Blog do Geraldo José - Imprimir Matéria

Jornal Folha de São Paulo denuncia ação de empresas via caixa 2 disseminando mensagens contra o PT

publicado em 18 de Outubro / 2018 às 15:00 | Eleições

Empresários compraram irregularmente pacotes massivos de envio de mensagens contrárias ao PT pelo WhatsApp, segundo reportagem publicada nesta quinta-feira pela Folha de S.Paulo. De acordo com a apuração do jornal, os contratos chegam a 12 milhões de reais e, entre os compradores, está Luciano Hang, dono da Havan. Ele apoia publicamente Jair Bolsonaro (PSL) e já foi obrigado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a retirar de seu Facebook um vídeo favorável ao capitão reformado que tinha sido pago para alcançar mais pessoas. 

A ação, revelada pelo EL PAÍS em agosto, é proibida pela legislação eleitoral, que diz que só os próprios candidatos, partidos e suas coligações podem comprar propaganda eleitoral no Facebook. Bolsonaro nega, por meio de seu advogado, qualquer participação em irregularidades. Hang também. O PT afirma que acionará a Justiça, enquanto PDT, de Ciro Gomes, diz que pedirá para anular a eleição.

Segundo a matéria da Folha as empresas "apoiando o candidato Jair Bolsonaro" compram de empresas especializadas um serviço chamado "disparo em massa" de mensagens no WhatsApp. Para isso, usam a base do próprio candidato ou partido ou uma base das próprias empresas que prestam o serviço, o que é ilegal porque a legislação eleitoral também não permite a compra de base de dados de terceiros. Essas bases compradas oferecem segmentação por região geográfica e, às vezes, por renda, explica o jornal.

Muitas vezes, elas são fornecidas por empresas de cobrança ou por funcionários de empresas telefônicas, também segundo a Folha. O jornal diz ainda que as empresas investigadas pela reportagem estavam impossibilitadas de aceitar novos pedidos antes de 28 de outubro, data do segundo turno, por terem serviços enormes de disparos previstos para a véspera. Segundo o jornal, a prática também foi usada pelo candidato ao Governo de Minas Gerais pelo partido Novo, Romeu Zema, que nega.

O presidenciável Fernando Haddad (PT) recebe, nesta quinta-feira (18/10), o apoio de um grupo de juristas para sua candidatura à Presidência da República. Reunidos em um hotel da capital paulista, os declaram apoio ao petista os advogados Antonio Claudio Mariz de Oliveira, Antônio Carlos de Almeida Castro, Celso Antônio Bandeira de Mello e o ex-ministro José Carlos Dias, além de outros juristas.

No evento houve uma cobrança para que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) investigue a ação de empresas que, conforme reportagem da Folha de S.Paulo, estão bancando a disseminação de mensagens contra o PT e favoráveis a Jair Bolsonaro (PSL) pelas redes sociais. 

O criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, defendeu recorrer ao TSE para apurar a ação de empresas favoráveis a Bolsonaro.

"Não pensamos em impugnar a candidatura e não queremos isso, queremos ganhar nas urnas, mas é preciso mostrar as forças que estão por trás", disse o advogado, defendendo "bater à porta do TSE". "Não temos que ganhar no tapetão. É necessário que recorramos às instituições que estão postas", disse.

Juristas que se alinharam ao presidenciável petista tecem fortes críticas a Bolsonaro. Para Belisário dos Santos Junior, ligado ao PSDB, o que une o grupo é a defesa da Constituição. "Não falo nem pela democracia, eu falo do caminho da Constituição", declarou. "Difícil imaginar uma mulher que vá depositar o voto e não seja no candidato Haddad", emendou a criminalista Dora Cavalcanti. 

Correio Braziliense Foto: Agencia Brasil

© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2019. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.