Blog do Geraldo José - Imprimir Matéria

Opinião: Violência desenfreada

publicado em 25 de Maio / 2019 às 23:00 | Espaço do Leitor

"Pecuarista é raptado e após três dias é encontrado morto com requintes de crueldade. Acusados foram presos e com eles foram apreendidas duas espingardas e uma pistola". Este fatídico acontecimento chamou a atenção de autoridades policiais e da população baiana pelo modus operandi utilizado pelos criminosos, que agiram com frieza e crueldade. A vítima, um pai de família trabalhador, confiou ao seu vaqueiro – o principal suspeito de ter arquitetado e participado do crime – os serviços de sua propriedade.

A cada dia acontecem diversos casos de violência no Brasil. A banalização de atitudes ruins, que fazem mal e que até mesmo matam é preocupante. O brasileiro tem dado sinais claros de egoísmo, onde o que importa é apenas a sua defesa pessoal. Quem está em sua volta que se vire, que dê seus pulos.

A prática e a incitação da discórdia têm colocado o país em sinal de alerta. Nunca se verificou, na história das eleições democráticas do país, a disseminação de tanto ódio e de tantas mentiras. Amigos se tornaram inimigos, familiares brigaram entre si e os diferentes ideologicamente chegaram inclusive a matar seus potenciais oponentes.

No momento em que a sociedade mais precisa de apaziguamento atitudes irresponsáveis, por parte dos que deveriam garantir a ordem e incentiva a redução da violência são repetidas comumente. Discutir posse e porte de armas de fogo neste momento tão atribulado é no mínimo, uma insensatez, o cúmulo do absurdo. Arma remete à violência e à morte.

Em um manifesto publicado em 2016, 57 pesquisadores de instituições públicas e privadas de ensino e pesquisa no Brasil e no exterior (entre eles: Robson Sávio Reis Souza - Doutor em Ciências Sociais, coordenador do Núcleo de Estudos Sociopolíticos da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e Edward J. Laurance - PhD em Relações Internacionais, professor e Gordon Paul Smith Chair no Middlebury Institute of International Studies at Monterey nos Estados Unidos), defenderam a manutenção do Estatuto do Desarmamento brasileiro. Eles afirmaram que o intuito do documento é "informar a sociedade sobre as evidências científicas disponíveis" sobre o tema, e que "o relaxamento da atual legislação sobre o controle do acesso às armas de fogo implicará mais mortes e ainda mais insegurança".

Eles citaram uma série de pesquisas que embasam seus posicionamentos. Já os principais estudos que contabilizam e analisam homicídios no Brasil: 'Mapa da Violência', 'Atlas da Violência' e o 'Anuário Brasileiro da Segurança Pública', também indicam que mais armas em circulação se relacionam a mais homicídios.

 O ditame que se faz urgente é a humanização das relações sociais. Vida pela vida.

Gervásio Lima-Jornalista e historiador

© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2019. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.