Blog do Geraldo José - Imprimir Matéria

Artigo – POR QUÊ NÃO “INTERCEPTAR” OS CRIMINOSOS?

publicado em 30 de Junho / 2019 às 23:00 | Espaço do Leitor

Ao que parece, a Providência se preocupou tanto com o Brasil e os brasileiros, que estabeleceu um calendário adequado para que as crises sejam intercaladas por períodos de festas típicas comemorativas, regionalizadas ou nacionais – Natal, Ano-Novo, Carnaval, Semana Santa, São João, etc. -, além dos tradicionais “feriadões”, permitindo, assim, que as turbulências políticas e econômicas sejam esquecidas, temporariamente, ou se acomodem e sejam substituídas por novos fatos. O noticiário dos jornais diários, que sobrevive em função das notícias novas e bombásticas, é um dos principais responsáveis pelo nível emocional das pessoas. Certamente, algum leitor já utilizou ou testemunhou esse tipo de comentário, em algum momento: “...Já caiu no esquecimento”!

Em meio a esse universo de variáveis que mexem com o lado emotivo da sociedade, o cidadão fica meio à mercê da intensidade da manipulação da notícia e, quase sempre, sob a influência do grau dos interesses político-financeiros envolvidos.

A propósito, ainda que as acusações de que se tornou alvo pretendam “procurar chifre em cabeça de cavalo” é inquestionável que a “Operação Lava Jato” inaugurou novos tempos no Brasil. Por mais que ao longo da história os desvios de recursos públicos e os sinais de corrupção fossem tão claros e expostos na administração pública, em geral, sendo objeto de chacotas e risos em todas as rodas de bate-papo, nunca ocorreu um avanço nas investigações e julgamento de envolvidos como nos últimos anos, sob o comando desses jovens Procuradores e Magistrados. Ora, se não houvesse a harmonia e entendimentos estratégicos entre eles, em conversas articuladoras para que os objetivos comuns fossem atingidos, jamais alcançariam os resultados positivos a que chegaram. E as ratazanas continuariam livres e faceiras porque, para o tamanho delas, deve ser difícil encontrar uma ratoeira apropriada!

Claro que não tenho qualquer convivência com os meandros da área jurídica, mas, parece-me elementar e primário questionar que o Promotor não converse internamente com o Juiz dentro de um Fórum de 1ª. Instância, ou Procuradores Públicos com Ministros nos diversos Tribunais, sobre assuntos pertinentes aos processos, principalmente quando os réus são ex-Presidentes da República, Governadores, Senadores, Deputados, e grandes empresários!

Imaginar que essa comunicação pessoal ou pela via moderna dos celulares seja um crime, somente encontra sentido na batalha desesperada dos nobres advogados desses corruptos presos, na louca busca de álibis que não somente os libertem como promova a desconstrução de tudo que foi arduamente edificado na moralização deste país. A Operação Lava Jato foi um trabalho heroico, não somente de Sérgio Moro e Deltan Dallagnol, mas de uma grande equipe de Juízes, Procuradores e Polícia Federal, e que as pessoas de consciência tranquila e isentas deste país não desejam ver interrompido. Alguns bilhões já retornaram aos cofres públicos e outros ainda retornarão, mas só em saber que a sangria foi estancada e que estão presos os principais cabeças, já resulta numa contabilização positiva de um novo tempo.

Com tanto dinheiro público desviado e ainda não localizado no volume que se imagina, é natural que parte dele esteja sendo investida na tentativa de desmoralizar o processo de depuração nacional. Não deve ser pouco o que está ganhando essa tal de The Intercept por realimentar as esperanças de condenados se verem soltos e processados se livrarem da condenação, ao divulgarem dados da comunicação interna da Operação Lava Jato. Ainda bem que no primeiro teste a que foi submetido o STF, nesta semana, a 2ª. Turma demonstrou que ainda temos Ministros independentes, íntegros e decentes.

Se há uma intenção honesta e profissional da Intercept Brasil de exibir eficiência no seu jornalismo investigativo, porque não divulgar os muitos diálogos telefônicos da bandidagem que assaltou o país e que é o outro lado da moeda? Estaria contribuindo com um grande serviço para passar a limpo toda essa história do crime nacional, onde temos certeza que os níveis das conversas gravadas ou hackeadas seriam bem maiores do que tudo que foi roubado de dentro do bolso do Povo brasileiro. E tem mais: quem disse que um certo preso importante de Curitiba estava por trás de todas as maldades financeiras praticadas, não foi o Moro ou o Dallagnol. Foram os seus próprios comparsas em todas as delações. 
 
Autor: Adm. Agenor Santos, Pós-Graduação Lato Sensu em Controle, Monitoramento e Avaliação no Setor Público – Salvador-BA.

© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2019. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.