Blog do Geraldo José - Imprimir Matéria

ESPAÇO DO LEITOR: 07 PECADOS CAPITAIS DO NOSSO GESTOR PÚBLICO

publicado em 03 de Outubro / 2011 às 10:30 | Espaço do Leitor

A idéia básica contida neste tema é a de que uma adequada gestão pública tem que se apoiar nos seguintes pilares: planejamento, transparência, controle e responsabilidade. Estes também são os pilares que balizam a Lei de Responsabilidade Fiscal. Evidentemente que além desses princípios ainda é imprescindível que o gestor atue com ética, o que balizará o seu comportamento perante à sociedade que representa.

1º Pecado - Nosso gestor público não programa as suas ações de forma planejada, mas sim as concebe no dia-a-dia, conforme a urgência de cada situação ou ao sabor das denuncias.

Dica para o atual gestor como para os pretendentes ao Paço municipal - Programar as ações de forma planejada estrategicamente Toda ação requer planejamento para que se alcance os resultados pretendidos. Cabe ao gestor e sua equipe adotar estratégias que mostrarão os caminhos para se alcançar as metas traçadas. Tanto na iniciativa privada como pública isso é imprescindível, pois geralmente os desejos da população de um local são maiores que a capacidade de atendimento. 

2º Pecado - Nosso gestor público não dá importância ao orçamento público, concebendo-o como entrave burocrático à sua administração.

Mais uma dica - Nenhuma pessoa consegue planejar e/ou efetivar seus gastos sem possuir um orçamento. Considerar o Orçamento Público como instrumento que organize e facilite a vida do gestor Um orçamento consiste basicamente nas previsões de receitas e despesas planejadas para determinado exercício.

3º Pecado - Não gosta de descentralizar decisões, pois entende que isto significa perda de poder.

Outra dica - Descentralizar ações, a palavra descentralizar é muito utilizada na Administração (principalmente na gestão privada), porém na iniciativa pública muitos gestores tem receio de colocá-la em prática. Para muitos essa palavra significa perda de poder e controle, o que não é verdade. Não se trabalha ou se Administra sozinho, distribuir atividades e responsabilidades é muito relevante nas organizações. Desde que seja avaliada e acompanhada, a descentralização pode ser muito eficiente e eficaz na gestão pública. 

4º Pecado – Não vemos nosso gestor público investir em capacitação e nem tampouco busca as melhores referências profissionais. O seu foco é político e não técnico.

Mais uma dica de utilidade publica - O gestor Público deve investir em capacitação e buscar os profissionais mais bem preparados para as funções Uma Administração eficiente e eficaz necessita contar com os melhores profissionais para compor os diversos postos organizacionais. O gestor precisará de pessoas competentes para ajudá-lo no desenvolvimento de políticas públicas que visem a melhoria da sociedade. Olhar sob a lupa da competência, e não das negociatas políticas, deve ser regra para o gestor público. 

5º Pecado – Transparencia. Infelizmente o que vemos é um receio de ser transparente, pois teme ser questionado sobre as suas ações.

Ser transparente Disponibilizar as informações relativas às receitas e despesas à população para que a sociedade possa controlar. Não é nenhum favor do Sr. Prefeito, a Lei da Responsabilidade Fiscal obriga o gestor público a ter essa tranparência na sua gestão. Assim, ser transparente significa competência e acima de tudo respeito com o cidadão.

6º Pecado – Socialização. Não vejo em nosso gestor publico o hábito de socializar informações e de utilizá-las em sua estratégia de ação.

Devido a falta de uma ação planejada, e às vezes em decorrência da deficiência técnica da equipe de trabalho, não são produzidas informações para a tomada de decisões na gestão pública. Em geral, não se produzem indicadores de avaliação e desempenho e, mesmo quando existem não são utilizados como parâmetros de condução da coisa pública. Isto dificulta o acompanhamento da gestão administrativa por parte da sociedade, pois as informações não são disponibilizadas nem tampouco socializadas para todos e acabam certas decisões trazendo mais transtornos que acertos.

7º Pecado – O mais grave de todos. Nossos politicos ainda não acreditam que serão punidos se cometerem erros ou prejuízos à sociedade. Se acham acima da lei.

A Lei de Responsabilidade Fiscal introduziu novos conceitos na administração pública, principalmente no que diz respeito ao binômio probidade/eficiência. Em outras palavras, explicitou a necessidade de que a ação pública ocorra baseada nos princípios da moralidade, do combate à corrupção, e do alcance de resultados concretos. Para tanto, introduziu também mecanismos de punição para os maus gestores ou gestores ineficazes do ponto de vista administrativo.

Quem sabe, ainda não dá tempo de nosso gestor público rever seus conceitos, ou quem sabe os novos pretendentes pensem um pouco no assunto. 

Júlio Almeida

© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2019. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.