Blog do Geraldo José - Imprimir Matéria

ESPAÇO DO LEITOR: A Prestação de Contas da casa Plínio Amorim

publicado em 16 de Novembro / 2011 às 23:20 | Espaço do Leitor

É um dever e também um direito do cidadão contribuinte, que paga seus impostos em dia, fiscalizar os gastos do dinheiro público com a Câmara de Vereadores.  Fiscalizar, cobrar, elogiar, criticar, exigir a devolução de "apropriação indevida" do dinheiro público.

Não somente o Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, mas também o Judiciário, a Sociedade Civil como um todo, e por que não os próprios vereadores.

Existe algo a esconder?

A subtração, desvios ou má gestão de valores públicos é um crime, que na minha opinião, deveria ser classificado como "hediondo" do qual, qualquer parlamentar que for devidamente condenado e somente através de um júri popular, deveria ser preso por 5 anos, ter seus direitos eleitorais inelegíveis por 30 anos, ficando expressamente  proibido de entrar ou fazer política, nem direito a qualquer tipo de associação.

Para mim, a "coisa pública" deve ser tratada com muita seriedade, propriedade, sempre procurando o bem público.

Senhora Presidente da Câmara de Vereadores de Petrolina, Plínio Amorim: "ABRA AS CONTAS DA CÂMARA DE VEREADORES". 

Sem qualquer restrição ou manipulação, assim a democracia se fortalece.

Mas não posso deixar de considerar que, muita coisa foi feita, muitas medidas foram tomadas pelo Congresso Nacional com o intento de "melhorar a forma de fiscalização" do dinheiro público.

Sou a favor que sejam criadas "Leis Duras" para quem de qualquer forma ou maneira, "cometa violações inaceitáveis" com o dinheiro público.

O dinheiro público tem valor sim, e deve ser bem administrado, gerido,  investido, transformado em mais Educação, Saúde, Esporte, Empregos.

Viva a Democracia do Brasil.

Moraes de Carvalho - Presidente do PSDC de Petrolina PE

© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2019. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.