Blog do Geraldo José - Espaço do Leitor
Vale do São Francisco - 19 de Junho de 2019
|
Redação: (74) 3613-3479

Espaço do Leitor

publicado em 16 de Fevereiro / 2012 às 14:00

ESPAÇO DO LEITOR: DENÚNCIA NO BLOG AUMENTA NÚMERO DE ATENDIMENTOS NA UNIDADE DE SAÚDE DO BAIRRO MARINGÁ

Todas as sextas-feiras usuários da Unidade de saúde dos bairros Maringá e Country
Clube chegam de madrugada e aguardam o início da marcação das
consultas para a semana posterior.

Após denúncia no BLOG DO GERALDO JOSÉ, a qual repercutiu bastante, tendo até direito de resposta pelo Médico Ivan Martins, mesmo sem ter sido citado e não sendo também Coordenador da referida Unidade de Saúde, o número de fichas (atendimentos) para as pessoas que não são Diabéticas, Hipertensas, Idosas, acamadas, etc., ou que não estavam necessitando de pequenas cirurgias de pele (especialidade do Sr. Dr. Ivan Martins) aumentou de 20 (vinte) para 30 (trinta) atendimentos semanais.

As pessoas devem entender que não podem ficar inertes diante de situações que ferem seus direitos, como é o direito à saúde, assegurado pela nossa Constituição. Há quatro semanas o número de marcações de consultas foi ampliado e já se percebe uma queda acentuada de reclamações sobre esse assunto no Posto de saúde do bairro Maringá. Mas ainda é necessário que o Prefeito e o Secretário - Dr Ivan, estou me referindo mais uma vez ao prefeito e ao secretário de Saúde, não vá tomar as dores novamente, pois o Sr. é um bom profissional e não deve ficar se expondo em defesa de quem não merece; mesmo sendo seus chefes - resolvam o problema das marcações dos exames clínicos, os quais demoram 90, 120, 150 ou mais dias para retornarem da CENTRAL DE MARCAÇÃO / SECRETARIA DE SAÚDE, isso quando retornam.

A reclamação está muito grande sobre essa questão. Os profissionais que estão trabalhando como FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS não devem achar ruim ou mesmo atacarem quem se levanta em defesa da população, utilizando-se única e exclusivamente da verdade. Vinte marcações de consultas semanais para dois bairros eram realmente insuficientes e isso causava tumultos e agressões verbais à funcionária da recepção do "postinho". 

Atenciosamente,

Wagner Silas Silva Martins - Juazeiro/BA

publicado em 14 de Fevereiro / 2012 às 08:10

ESPAÇO DO LEITOR: SOS ITABERABA, ESGOTOS ESTOURADOS E MUITOS BURACOS!

Nosso bairro está regredindo. Antes saneamento, hoje esgoto a céu aberto como podemos ver nestas fotos que estou enviando ao blog. Ainda há vários buracos onde antes era um calçamento. Assim está se tornando a Rua da Marquesa no bairro Itaberaba.

Até mesmo uma praça a gente não tem e nem sequer um projeto. Nossas crianças estão jogadas para as traças (bebidas e drogas). E não vemos ninguém tomar providencia para pelo menos amenizar.

Cadê a prefeitura (o prefeito Isaac e seus secretários) e também os seus veadores. Falo isto porque parecem ser dele e não nosso; por que a maioria não fala nada e nem mostra projetos feitos, aprovados e em execução pela atual administração. Ficam caladinhos.

Ninguém faz nada e a Itaberaba e toda Juazeiro estão que é só buraco e lama. A mudança ta ai só não vê que não quer ou trabalha na prefeitura.

Iranildo Silva

publicado em 13 de Fevereiro / 2012 às 17:30

Espaço do Leitor: Novo ângulo de Juazeiro.

Depois de tantas fotos para lembranças, segue uma que mostra a nova cara de Juazeiro. Para seus filhos manterem uma boa imagem da cidade com um ângulo pouco percebido, nessa foto de Harrison Felling.

 Atenciosamente,

Rômulo Gomes de Sousa

Técnico de Correios

publicado em 13 de Fevereiro / 2012 às 13:30

ESPAÇO DO LEITOR: SOU MUITO MAIS "MARCO ANTONIO" DO QUE "JÚLIO CÉSAR" TRAÍDO, "BRUTUS" É QUEM PENSA QUE SOU.

Estou sendo julgado, condenado, execrado por um ato que não cometi.

Estive nas comemorações pelos 32 anos do PT na sede do partido, falei e declarei-me surpreso pelas ausências da presidenta Meirinha, do deputado federal Joseph Bandeira e outros petistas amigos.

Não entendi nada e tudo que fiz foi dizer o que penso sobre a nossa política franzina e conturbada, pequena, individualista que tem deixado Juazeiro ao longo do tempo, distante, sem o merecido desenvolvimento em todos os sentidos.

Defendi apenas o entendimento entre o PT e o PCdoB, falei de momentos históricos na luta contra a ditadura, opressão, censura e que do alto dos meus quase 57 anos nunca estive em outro lugar, estou sempre ao lado de Joseph Bandeira fazendo campanhas para ele e para o PT com a minha voz, minha música, o meu texto, em poucas vitórias, levando "porrada" sem "beijar a lona".

Juazeiro é testemunha.

Eu não me escondo.

Não mereço tamanha covardia, principalmente porque não vou ficar me defendendo diante de comentários anônimos, não vou lutar contra inimigos que não conheço, tenho meus defeitos, mas não sou "otário".

"O sucesso às vezes vem do fracasso", não tenho medo dessa onda, dessa "bolha". Vou continuar do mesmo jeito, vou falar, vou cantar, vou fazer "jingles" faço sucesso com eles, enquanto a minha música é desprezada.

Sou muito mais "Marco Antonio" do que "Júlio César" traído, "Brutus" é quem pensa que sou.

A Vida e a morte para todos

Inteligência para poucos

Dinheiro para mínimos

Miséria para muitos

Amor para alguns

Maurício Dias (Mauriçola)

publicado em 13 de Fevereiro / 2012 às 10:30

Espaço do Leitor: Usurpação.

Nem vou falar do fiasco que foi o carnaval de Juazeiro este ano. Meota de carnaval. A promessa era que seria o melhor carnaval do interior do estado. Assim gastaram mais de R$ 1,5 milhão de reais, por ¼ de folia.

Acabaram com o carnaval no ano passado e nos anos anteriores, acabaram com o São João, acabaram com a cultura, acabaram com o lazer, acabaram com a alegria popular. E já tinham acabado antes com a saúde, com a ação social, etc, etc.  Sem falar que acabaram com Juazeiro. Mas prometeram para este ano um carnaval superior aos rodeios e as vaquejadas.

Eu me lembro, e todo o povo também, que em tempos mais recuados, Juazeiro fazia enormes carnavais. Houve até um carnaval das estrelas em que estiveram presentes, ao mesmo tempo, Ivete Sangalo, Daniela Mercury, Gil, Margareth Menezes, Ara Ketu, Asa de Águia, Chiclete com Banana, e muita gente grande.

No carnaval “Do Carvalho” este ano faltou até trio elétrico para os inventores do trio elétrico, representado pelo grupo musical Armandinho, Dodó e Osmar. A fraude carnavaslesca e carvalhesca que custou no mínimo R$ 1,5 milhão de reais, vai ser, no entanto desculpada, tenho certeza, veementemente pelos puxa-sacos de plantão.  

Vão dizer que foi a greve da polícia, a falta de segurança, etc, etc. Mas então como é que bandas que não tocaram por falta de segurança nas ruas, podem tocar na noite do dia 10, no coração da cidade, com a mesma falta de segurança, já que a polícia baiana continuava em greve.

Como é que Carvalho vai justificar o pagamento desses artistas para homenagear o PT por conta do aniversário de 32 anos dia 10? Quer dizer que a Municipalidade paga para que o Prefeito faça festas de homenagens a partidos políticos? E por que não homenageia também o Democratas ou PSDB, que faz parte, com destaque do esquema administrativo arrasa quarteirão do calvário do povo, submetido à cruz do Carvalho? E como é que o PT da Boquinha e o da Bocona se justifica diante disso?

Explique ai Jonas. Fala Jojó. Duas últimas perguntas, a primeira para Alex Tanuri e José Carlos Medeiros: (dinheiro público para privilegiar o PT) meus bravos vereadores vocês não vão fiscalizar isso não? Segunda: e como é que os petistas de verdade (e devo adiantar que não sou do PT e nem gosto dos petistas), estou falando dos petistas que merecem respeito, pois até entre os petistas existem pessoas valorosas, repito: como é “companheirada” que vocês admitem que Isaac usurpe a festa que os próprios filiados gostariam provavelmente de fazer, e não puderam e nem deveriam, por conta da falta de segurança, já que a greve da polícia ainda estava em andamento? --- Quero os meus milhões de volta. Quero de volta meus R$ 700 milhões. Devolvam o nosso Juazeiro.

Leônidas Leonel

publicado em 13 de Fevereiro / 2012 às 06:30

ESPAÇO DO LEITOR: A FESTA DA PREFEITURA NA SEDE DO PT

Pessoas que não conseguem se estabelecer pelo viés da competência, se sujeitam a certas situações burlescas para mostrar serviço ao chefe do executivo municipal e segurar seus empregos e os altos salários na prefeitura.

Foi assim que no ultimo dia 10 de fevereiro, com a desculpa de comemorar o aniversário do partido, alguns membros do glorioso partido dos trabalhadores montaram palanque na frente da sede do PT para Isaac, Zó, Flavio Luiz, Carlos Neiva e outros filiados do PSDB e do PC do B fazerem seus discursos, com direito a uma superestrutura que incluía banda e muita cerveja. Que pagou a conta mesmo?

Uma minoria que não consegue desmamar parece ter entrado num estágio tão grande de desespero que passa por cima dos seus princípios éticos e morais a ponto de querer tomar o PT de assalto e colocar nas mãos do prefeito, ignorando, inclusive, as recomendações da instância local e as ponderações sensatas da executiva municipal, que afirmou na imprensa na haver clima para festa. Só para se ter uma idéia, o PT estadual não fez nenhuma comemoração!

Pasmem, o cerimonial da festa era o mesmo oficial da prefeitura, com Paulo Cesar na locução e uma meia dúzia de petistas adestrados aplaudindo aquele ato de humilhação. “O que se viu foi um PT Subjulgado pela máquina municipal e de joelhos para o PC do B...”. “Descendo até em baixo”. Um “apocalipse” político, que deve ter deixado alguns, ainda coerentes, com ressaca moral e peso na consciência.

Espero que o PT, sensato e que tem voto, devolva a dignidade a esse partido histórico e possa resgatá-lo dessa situação deprimente, vexatória e sair dessa administração fracassada o mais rápido possível, antes que Jojó e Cia, coloquem essa legenda na lama.

O PT de vanguarda, de luta e os militantes históricos desse partido com certeza estão envergonhados depois de saber qual era a verdadeira intenção do PT governista. Mas essa farra esta chegando ao fim.   

Até tu Mauriçola?

JOSÉ BATISTA BORGES DA SILVA
BAIRRO ALTO DA MARAVILHA
JUAZEIRO - BAHIA

publicado em 12 de Fevereiro / 2012 às 23:00

Espaço do Leitor: Ex-jogador do Veneza visita o Estádio Adauto Moraes.

Geraldo,

Esse rapaz de camisa branca é o glorioso Bebeto, lateral direito do Veneza dos anos 80. O melhor lateral direito que já atuou no Estádio Adauto Maraes. Atualmente, Bebeto reside com familiares em Irecê-Bahia e esteve no Adautão matando as saudades dos amigos e admiradores do grande atleta  do Veneza Futebol Clube. Favor colocar no seu blog para alegrar aos torcedores do Veneza com as imagens desse grande homem e atleta dedicado ao nosso futebol. Todas as fotos são minhas, portanto, podem divulgar tranquilamente!

Sem mais,

Josemar Rodrigues Santos

publicado em 12 de Fevereiro / 2012 às 19:00

ESPAÇO DO LEITOR: O REAL SENTIMENTO DOS POLICIAIS MILITARES DA BAHIA.

Nos últimos dias a sociedade baiana sofreu com o caos instalado a partir da paralisação dos serviços pelos policiais militares; a tomada da Assembléia Legislativa; o aumento da violência e a intransigência do Governo Estadual que impôs uma proposta não aceita pela categoria. O resultado de tudo isso ainda não foi totalmente computado, pois a paralisação não terminou por completo, as reivindicações não passaram de propostas vazias e sabemos que continua no seio da corporação a sensação de insatisfação.

Evidente que os erros e excessos cometidos por alguns ofuscaram em parte a legitimação e a importância do movimento, mas a forma como o Governo Estadual tem buscado negociar com a categoria demonstrou a prepotência e a arrogância do governo do Estado.

Minha linha de raciocínio está consolidada em quatro motivos: Primeiro, a Assembléia Legislativa foi cercada pelo Exército, que não invadiram aquele recinto por saber que lá tinham muitos homens armados e prontos para lutarem por seus ideais; Segundo, parte da negociação foi conduzida por um emissário do Exército, o General Gonçalves Dias, que por sensibilizar-se com os militares em greve, acabou sendo afastado por ordem direta do Planalto; Terceiro, a interferência direta do Ministro da Justiça em questões internas da Bahia, isso porque esse é um dos Estados governados pelo PT e que sabem que essa paralisação compromete todo o arsenal de construção da campanha de Sérgio Gabrielli para a sucessão, em 2014; e, Quarto, o retorno dos policiais militares ao serviço sem a garantia efetiva que as promessas serão cumpridas.

Observações à parte, retirando aqui o ponto de vista jurídico da legalidade dessa paralisação e do pseudo “Greve” ou “Motim”, é importante dizer que a paralisação da Policia Militar da Bahia não é norteada apenas por questões financeiras. O salário é essencial e evidente que o salário paga as contas no supermercado e na farmácia, e foi o estopim da crise, afinal promessas foram feitas em 2009 e não foram cumpridas. Porém, essa paralisação também foi institucional, foi um “grito” daqueles que não agüentam a opressão dentro da corporação, esquecendo aqui a “coisa financeira”, levando em consideração tão somente a estrutura de segurança pública instituída no Estado da Bahia.

A Polícia Militar da Bahia quer seu policial totalmente dedicado ao serviço de proteção da sociedade. Essa dedicação exclusiva, no entendimento da Procuradoria Geral do Estado, não autoriza o policial no exercício de qualquer outra função, seguindo o Código Penal Militar, uma lei do tempo da Ditadura Militar, e o Regulamento Disciplinar do Exército. A diferença é que naquela época poucos policiais eram qualificados e nos dias de hoje, o número de profissionais com cursos superiores é enorme e, encontramos policiais formados em psicologia, fisioterapia, administração, direito, entre outros.
Outro aspecto importante e que parece não ser lembrado pelo Governo do Estado, é que o policial patrulha as ruas com viaturas sucateadas, combustível regrado, armamento com quantidade também regrada de munição e a pressão, o medo (isso mesmo, PM também tem medo), a insegurança e coletes balísticos vencidos. O policial militar da Bahia literalmente não é valorizado como deveria ser, e olha que essa valorização ainda não é financeira, pois a valorização humana na Corporação deixa muito a desejar.

Na Polícia Militar da Bahia não existe um projeto efetivo de recursos humanos a fim de dar qualidade de vida e espírito de integração aos seus militares. Não existe uma linha de crédito com juros baixos para aquisição de arma própria ou colete balístico. Falta incentivo também com juros e prazos para aquisição de um meio de transporte próprio, onde o policial precisa se deslocar, muitas vezes em transporte público, correndo risco de morte nas diversas tentativas de assalto a ônibus nas grandes cidades.

Para acalentar todo o complexo dessas críticas, é concedida ao policial uma folga de serviço longa, um incentivo aos famigerados “bicos”, nos quais as estatísticas comprovam que é onde mais morrem policiais.

É também observado um excessivo número de policiais obesos e viciados, principalmente no álcool, pois são lançados ao ócio não-criativo, pois não existe uma política pública de incentivo a treinamento contínuo, nem espaço adequado para tal prática.

Voltando para a carreira do policial militar, outro aspecto que resulta na indignação da classe são as promoções. Não existe um Plano de Carreiras que consolide as promoções em geral. Para exemplificar, estão sendo convocados os soldados formados em 1984 para fazerem o Curso de Formação de Cabos esse ano, ou seja, 28 anos sem serem promovidos a absolutamente nada. Entre os Oficiais, a única promoção garantida é a de Aspirante (período de estágio pós Academia) para o posto de Primeiro Tenente. Depois disso, ficam ao bem dará de questões políticas.

O governador que lá atrás fez campanha usando o contracheque de policial militar é o mesmo que em abril de 2011, na invasão do MST ao posto do INCRA, mandou carne, frutas e banheiros químicos. Também é o mesmo que determinou ao Exército cercar a Assembléia Legislativa para impedir que os “amotinados” saíssem de lá sem a efetiva prisão dos líderes, sem negociar.

Por fim, é fato lembrar que em 2014 terá Copa do Mundo e que o gasto com esse evento já quebrou todas as estatísticas, mas se não valorizarmos aqueles que defendem a sociedade “com a própria vida” o desgaste da corporação levará ao caos.

Por Enos André de Farias

Às 20h40, do dia 11 de fevereiro de 2012 (bem na hora que os policiais deliberam sobre o fim da Greve)

publicado em 10 de Fevereiro / 2012 às 18:40

Espaço do Leitor: Vandalismo em praça e Avenidas de Petrolina‏

Querendo melhorar a cidade, a Prefeitura de Petrolina começou no bairro Jardim Maravilha a obra de uma praça pública. O benefício é imenso para todos, mas o vandalismo já está acontecendo para distruir um bem, que se quer foi entregue a população. Imagine quando entregar, como será?

O local que antes servia como depósito de lixo está ganhando canteiros, arborização, pistas teve seus bancos feitos de cimento danificados. Vi que uma equipe da Prefeitura esteve no local e aproveitei para registrar.

Segundo a fiscalização da obra, a ação foi feita sobre o cimento úmido ainda, que serviu para a inscrição de nomes e desenhos feitos por autores desconhecidos. E como bem sabemos toda ação feita com cimento, demanda tempo para a secagem do material.

Outro caso parecido, que também tem gerado a insatisfação na comunidade; é os danos causados pela própria polulação na recuperação da Avenida Monsenhor Ângelo Sampaio. Uma forma de oferecer locais bonitos, com segurança, o local está sendo todo recuperado, mas o povo não obedece o tempo para transitar e acabam passando por cima do cimento fresco; comentendo os mesmo erros e depois ainda tem gente pra dizer que a obra está mal feita.

Como jovem, estudante universitário, cidadão de Petrolina que nasceu e mora aqui com muito orgulho dessa terra acho lamentável; lutamos tanto pelo nosso município e no final das contas somos nós mesmo que destruímos nossas conquistas.

Vinícios Guilherme

publicado em 10 de Fevereiro / 2012 às 18:00

ESPAÇO DO LEITOR: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA GREVE DA PM BAIANA‏.

Aprendi com meu partido, o PC do B, a analisar a greve em todos os seus aspectos, no sentido político, reivindicativo, paredista, fator de mobilização dos trabalhadores. Parto da seguinte assertiva, dita por Reinaldo Carvalho, jornalista e membro do comitê central do Partido comunista do Brasil, que compartilho em gênero número e grau. "FAZER GREVE É LEGÍTIMO. NEGOCIAR É OBRIGAÇÃO DA LUTA E DO GOVERNO."

O povo baiano na sua soberania espera com redobrada esperança que a greve chegue a um bom termo, em que as intransigências de ambos os lados sejam contornadas e seja preservada a paz e o diálogo.

Não compartilho com a argumentação de que a greve da PM é ilegal por se tratar de uma corporação armada. Considero-os servidores públicos e assim devem ser tratados perante a lei do direito de greve.

O que é ilegal é confrontar com armas, um governo eleito democraticamente e amedrontar a população, patroa de todo servidor público, com atos de vandalismo, violência e terror. Vira motim armado e atenta contra os princípios democráticos duramente conquistados pelo povo brasileiro.

Podemos tirar do episódio paredista dos policiais da Bahia inúmeras lições, a saber: A categoria dos policiais tem grande poder de mobilização e deve ser respeitada; O governo deve levar o diálogo e as negociações até à exaustão, procurando o consenso, pois as reivindicações da categoria em greve são mais do que justas, sem abrir mão de sua autoridade como fez o governador Wagner procurando proteger a população baiana. Não deve, o governo confundir aqueles que reivindicam em paz os seus direitos, perseguindo-os pós greve, com os que praticaram atos que atentam contra a segurança pública: Esses devem ser punidos rigorosamente, de acordo com a lei vigente.

A categoria deve estar atenta para não ser usada como massa de manobra por arrivistas e provocadores, como é o caso desse Prisco que quer utilizar a força dos policiais, na sua campanha de vereador.

A força dos argumentos deve permear sempre, pois vivemos numa democracia, o governador é um hábil negociador, habilidade aprendida nas suas lides sindicais; a força das armas e o uso delas num movimento grevista leva a consequências trágicas para todos.

O apoio popular é essencial ao movimento grevista, quando ele dura muito tempo. Porém, esse apoio se esvai quando o povo percebe que estão politizando o movimento e infelizmente, alguns utilizaram a greve com o único objetivo de desgastar o governo baiano, o que não é o caso de mais de noventa e nove dos policiais que exigem com legitimidade, melhores salários para a corporação.

Finalizo parabenizando os bons soldados que reivindicaram de forma consequente os seus direitos; abraço em Juazeiro os comandantes, os oficiais e os praças que garantiram a segurança do povo que brincou como nunca o carnaval juazeirense. E ao Exército Brasileiro que assegurou por esses dias a tranquilidade dos lares juazeirenses. Vivemos numa democracia, vamos ao diálogo; Greve, quando justa, sim! Motim armado, jamais em tempos democráticos.

Paulo Cesar de Andrade Carvalho. Radialista, membro do diretório municipal do PC do B.

publicado em 09 de Fevereiro / 2012 às 23:20

SECA: ONDE ENCONTRAR MOTIVAÇÃO?

Não tá fácil a situação de quem vive, ou melhor, sobrevive, no interior. A seca que assola a região Nordeste do País maltrata ainda mais o pobre que busca sobrevivência criando meia dúzia de bodes em meio à caatinga, que permanece cada vez mais cinza.

A falta d’água aliada ao desamparo dos governantes entristece o sorriso largo do sertanejo. Olhar uma, duas, três ou mais vezes todos os dias para o céu azul, que de tanto azul e limpo faz chover lágrimas, já virou rotina.

A situação é desesperadora: animais morrendo de sede e de fome, barragens, açudes, e até as tais cisternas salvadoras estão secas, com estruturas danificadas por não haver uma gota d’água, desperdiçada tantas vezes nas nossas residências.

Quem o sertanejo pode clamar?  Quem pode pedir ajuda sem que precise prometer seu voto? Onde estão os carros pipas que ninguém vê? O PAC? As adutoras? Que crescimento é esse?

É nesse contexto que percebemos os contrastes. Enquanto uns não saem do seu ar-condicionado, desfilam de terno e gravata em seus carrões, quase aviões, nadando em dinheiro, o pobre catingueiro está lá, debaixo dum sol de 40 graus queimando mandacaru e bebendo água salgada.

Elias Fonseca Martins

publicado em 09 de Fevereiro / 2012 às 17:30

ESPAÇO DO LEITOR: O GRAVETO DERRUBOU A PANELA.

Acredito que todos já ouviram um velho adágio popular que diz: Graveto é que derruba panela. “Elementar meu caro, Watson” é trabalhar em cima do óbvio ululante protagonizado pelo grande dramaturgo Nelson Rodrigues, é aquele gravetinho que queima de maneira discreta que faz a panela tombar, os toros dão sustentação, apoio a vasilha.

A história da humanidade está recheada de acontecimentos que demonstram que não devemos subestimar os nossos adversários mesmo que aparentemente se mostrem inferiores.
Em 436 D.C. o poderoso império romano caiu dentre outros fatores, com as invasões bárbaras mais precisamente pelos Heuros.

No antigo testamento podemos contemplar o episódio da batalha entre os Filisteus e o povo de Israel onde o gigante Golias de 2,90m, foi defrontado e morto por Davi um jovem franzino cuja cota da malha do gigante já atingia o seu peso.

O personagem do dia é o Sr. Antonio Carlos Cerezo, o Toninho Cerezo, atualmente técnico do E. C. Vitória. Exatos 25 minutos do primeiro tempo, copa do mundo de 1982, o Brasil empatava com a Itália em 1 X 1 quando Toninho Cerezo atravessou uma bola na defesa subestimando a explosão muscular e a perspicácia do atacante Paulo Rossi que alcançou a pelota e desempatou a partida.

30 anos depois o Cerezo volta a subestimar um adversário. De olho no Ba X Vi do próximo domingo ele achou que jogar em Juazeiro, contra o Juazeirense que não se encontrava muito bem na tabela era triunfo certo do Vitória, poupou jogadores, usou atletas da base, promoveu estréias e quebrou a cara. Perdeu o jogo, a invencibilidade, o zagueiro Allan Henrique e o lateral Dimas que estão fora do jogo de domingo contra o Bahia.

Parabéns ao Juazeirense que não se intimidou, jogou como deve atuar time grande, se impôs dentro de casa e o “Leão” voltou com a juba amarrada.

Toninho Cerezo, depois dessa tem quer ler (Mt. 23,12) “Quem se humilha será exaltado e quem se exalta será humilhado”.

José Raimundo dos Santos (Negão do Edson)

publicado em 09 de Fevereiro / 2012 às 10:30

Espaço do Leitor: Voltando a realidade.

Acabou o carnaval em Juazeiro, o néctar dos políticos locais. Voltamos a nossa realidade nua e crua, voltamos a nos  deparar novamente com ruas esburacadas, cidade (mais) suja, segurança caótica, transito idem etc, ou seja, os velhos problemas que por alguns dias a população ignorou e levou tudo no ritmo do carnaval, só fantasias.

Como também são fantasiosas as perolas ditas e fotografadas por nossos políticos durante a folia: O Márcio Jandir quer transformar um encontro articulado na garagem do Misael como se fosse uma casualidade, para assim querer mostrar  poder de negociação. Todos sabem da trajetória do Márcio e com certeza ele  já pensa no plano B, quem sabe  vice na chapa do Misael.

O Misael, que de bobo não tem nada, fala para plateia que não é candidato (não sei querendo enganar a quem, pois todos sabem que é candidatíssimo), e o mais hilário é ele afirmar que não é um profissional da política.

Jorge Khoury: “Em momento algum eu criei a expectativa de sair candidato e posso afirmar que a minha posição continua a mesma, embora ainda não tenha tomado a decisão final”. BLÁ, BLÁ, BLÁ, este só sai candidato se for com apoio/grana integral da oposição.

Bruno Reis vem a convite do PV e articula descaradamente a candidatura do Jorge Khoury nas barbas do Márcio Jandir.

O mais sensato, por incrível que pareça, foi o comentário do Lucio Vieira “É inacreditável que um partido como o PT deixa de ter candidatura própria com uma liderança como Joseph para apoiar uma gestão que desde cedo apresentou sinais de incompetência”, sabemos nós que este comentário é mais para atingir a atual administração do que apostar no Joseph. O Joseph continua com o mesmo penteado, o mesmo bigode e por que incrível que pareça o mesmo discurso, não se reciclou.

E no mesmo ritmo, para o desespero da população, vão os Pedros, Tanuris, Isaacs e os omissos e submissos vereadores. É uma pena que até o momento, infelizmente, não vemos em nossa cidade um movimento vindo da sociedade propondo repaginar nossa cidade, rever nossos conceitos sobre os políticos e principalmente desconstruir falsos mitos.
Ainda está em tempo de buscar por novas opções, tenho certeza que em nossa cidade tem boas pessoas para assumir o cargo de Prefeito.  

Julio Almeida

publicado em 08 de Fevereiro / 2012 às 17:30

Espaço do Leitor: Wagner e a Salvador ff.

Roberto Malvezzi (Gogó)

Gregório de Matos dizia que a Salvador seiscentista era feita de “dois ff”(sic!): um de furtar e outro de fo...

Blasfemo, pornográfico, herético, o “Boca do Inferno” não perdoava seus inimigos pessoais, do clero ou da política. Seus poemas eram direcionados ao coração dos inimigos e não vacilava em citar o nome real de quem ele quisesse queimar em praça pública.

Acontece que ele também tinha seu calcanhar de Aquiles, era de família abastada e, muitas vezes, seus ataques eram para defender interesses pessoais e de família.

A Salvador de Wagner, quase 500 anos depois, é uma metrópole linda, que esconde atrás dos prédios das belas avenidas a pobreza das favelas e periferias. Foi ACM quem inventou a técnica de esconder a miséria atrás dos edifícios belos, assim passar uma imagem perfeita da cidade aos turistas.

A greve dos PMs da Bahia expõe a cara mais real de Salvador. Claro que ali há jogos, interesses, gente ainda ligada a ACM, mas há um problema sério de diálogo do governo baiano. Há tempos o funcionalismo público reclama da forma como o ex-sindicalista trata as corporações em greve. Professores, policiais e área de saúde têm problemas graves de relacionamento com o governador. Hoje, um professor do estado, quando pede a aposentadoria baseada em lei, tem que esperar quase dois anos para ser atendido.

Wagner sempre foi considerado um excelente negociador, antes de chegar ao poder. Quando Frei Luíz fez a greve de fome em Cabrobó, o enviado de Lula para conversar com ele foi o então ministro Wagner. Nunca nos esqueceremos que, com 11 dias sem comer, Wagner se trancou com ele na capela por mais de seis horas, até firmarem um acordo. Quando saiu do lado de fora, com um papel escrito a mão e assinado pelos dois, ele soltou a frase: que acordo?

Foi ali que a fixa caiu. Usando tática de prisioneiros de guerra, tentando vencer o adversário pela exaustão, não conseguiu dentro da capela, então rompeu o acordo ao sair na porta.

Quando chega a “festa da carne” em Salvador – literalmente - milhares de turistas prontos para chegar à cidade, a greve dos PMs se transformou num problema econômico, além da segurança. Agora comerciantes, empresários, artistas, pressionam o governo para acabar com a greve. Mas o estrago está estabelecido. No poder Wagner não é um bom negociador.

Pelos interesses em cena, esse jogo não vai acabar um a um.

publicado em 07 de Fevereiro / 2012 às 23:20

ESPAÇO DO LEITOR: É DO CARVALHO!

Eu vi Armadinho, Dodô e Osmar no palanque da rua da 28 em Juazeiro, grande show, imaginem se fosse em cima do trio que é o grande santuário da música baiana? Foi do Carvalho!!!
Não ter decoração nas ruas e durante o dia a cidade transformar-se em cemitério, principalmente no circuito da folia, foi do Carvalho!!!

A paralisação da polícia militar de Juazeiro, no final da festa, deixando os foliões e todo governo tensos e amarelos de medo pela insegurança e descaso do poderoso chefão, carioca, da Bahia. Foi do Carvalho!!!

Gastar alguns milhares de reais para promover uma grande festa em ano de eleição deixando a periferia e interior do município em completo abandono. Foi do Carvalho!!!
Pagar adiantado aos artistas de fora e deixar os artista da terra para receber, se receber, depois. Foi do Carvalho!!!

Assistir a Prefeito, deputados e candidatos dos mais diversos partidos, desfilando e nadando em drinks e salgadinhos nos camarotes, e o povo saltando sem noção no caldeirão da pipoca e mesmo assim felizes ou pensando que eram felizes, naquele momento. Foi do Carvalho!!!

Assistir mais uma vez o CIRCO DE ROMA desfilar pelas ruas de Juazeiro, iludindo a fé pública e tentando enganar a gregos e troianos, promovendo a farra do ócio com o dinheiro do povo que a partir da segunda-feira estará ressaquiado, liso e decepcionado. Foi do Carvalho!!!

Esse carnaval foi do Carvalho!!!

Esse governo é do Carvalho, por enquanto.

Lucien Paulo

PS. Alguns comentaristas também são do Carvalho!! Confiram.

publicado em 07 de Fevereiro / 2012 às 18:00

ESPAÇO DO LEITOR: GREVE DA PM: COMO O ESTADO RESOLVERÁ ESTA QUESTÃO?

Caro Geraldo,

A situação geral nas cidades da Bahia é de intenso alerta.

Salvador tornou-se, ao invés de capital do estado, uma verdadeira Cidade-Estado, isolada completa e absurdamente da região nordeste e de todo o Brasil. No centro da cidade ocorrem arrastões e tiroteios à luz do dia, enquanto na periferia encarna-se a face de um inferno real que nem o próprio Dante seria capaz de conceber; já na Assembleia Legislativa da Bahia, tanques de guerra ocupam o local, acompanhados de centenas de soldados da polícia do exército.

 Nesse meio tempo, o governador isola-se, tal como um doge medieval italiano, na proteção de seu palácio, alheio às perturbações que transformam tudo e todos num completo caos aparentemente incontrolável.

Em Sobradinho, o comércio está à portas baixas; não há confiança no rosto dos proprietários das lojas nem disposição para se defenderem frente a um saque de meliantes. Nas estradas e nas cidades caminhões do exército deslocam-se em comboio para tentar controlar, heroicamente, uma agitação poucas vezes vista em tamanha proporção. Já Juazeiro olha com o canto do olho para ver “se não vem bandido aí”.

Obviamente, é necessário que se observem os apelos e reivindicações dos policiais grevistas, e que se tente chegar a um acordo que agrade ambas as partes o mais urgentemente possível; a polícia militar é parte INDISPENSÁVEL da sociedade brasileira, vital para a segurança geral do Estado e do povo. Analogamente, levemos em conta a situação e o perigo a que estão expostos os militares em vários dos lugares mais violentos do país.

É hora de todos pararem e perceberem o quanto e o quê ainda precisamos evoluir e aprimorar na sociedade brasileira. Não vemos tanta movimentação do exército (exceto, claro, em ocasiões especiais) desde os anos de chumbo, e embora eu mesmo não tenha presenciado tal época, compreendo claramente o quão rápido precisamos resolver esta questão de extrema importância.

O que espero com veemência é que esta greve, que já tornou-se notícia em vários jornais internacionais não se espalhe por mais estados, frente aos baixos salários e as difíceis condições de trabalho dos policiais militares brasileiros, ou então o problema será realmente grave, e a partir daí, como uma reação em cadeia, nos veremos frente a uma instabilidade política que sempre levou a rumos sombrios na história da terra.

Vladimir Nunes – Estudante e Orador da Ação Paramaçônica Juvenil de Juazeiro.

Foto Correio
publicado em 07 de Fevereiro / 2012 às 12:40

ESPAÇO DO LEITOR: BEM QUE MEU SANTO AVISOU!

Dia 03 de janeiro, sexta-feira (felizmente não foi a sexta-feira 13), carnaval em Juazeiro. Dias de carnaval os “meninos”, ou melhor, os cãezinhos e os diabinhos ficam soltos pelas ruas e avenidas, participando dos momentos momescos e, muita gente que usa máscaras à sua semelhança é um prato cheio para o príncipe das trevas.

A mulher, Wilma Rosa insistiu para irmos juntos ao Escritório dos Filhos da Pauta no Mac Beto. Meu santo está me dizendo que hoje não devo botar o pé na rua, mas me libera para participar do bloco Cabaré das Ilusões, do velho Carcará, onde este fica transvertido de Crô e Raimundão se transforma em Tereza Cristina, ambos personagens da novela Fina Estampa, da Rede Globo tendo como homenageada a grande historiadora e folclorista Maria Izabel Muniz Figueiredo ( Bebela).

O meu juízo ficou agoniado de tal forma, mesmo sabendo que as respostas dos búzios, não são claras, nos dias de carnaval, os voduns se recolhem, porém, contrariando a seita animista, resolvi recorrer a Ifá, Deus nagô da adivinhação, orixá que é o maior oráculo da Nigéria. A resposta do jogo dos búzios chegou, todavia, turva, como se esperava, por razões óbvias ( momento impróprio).

Fui desobediente e, despachei a rua, jogando água em três direções, pedindo licença aos “meninos” – agô... agô... agô..! Fomos de carro, eu e a mulher “pé de carnaval”, envergados em um abadá (passaporte que dava acesso ao Escritório da Folia) trocado por dois quilos de alimentos não perecíveis.

Felizmente, nossos caminhos estavam abertos, livres, etc. Tomamos assentos no panteão da alegria. “Mac Beto”!  O ambiente animado pela dupla Neto e Mundinho. A diretoria, toda de branco, composta dos comunicadores Antônio Pedro, (Toinho), Paulo César de Oxalá, Sérgio Rêgo e outros companheiros da comunicação. Confesso que na minha ilusão de ótica, (miragem), pois, acabava de consultar a Ifá, vista turva, muita alegria do momo, a princípio pensei que a mesa da diretoria fosse um pombal, aves todas brancas. Odara, falei com os meus botões!

Toinho, de imediato, veio entrevistar-me, tendo o mesmo procedimento para com os presentes. No ambiente só alegria! Como o corpo não estava bem fechado (festa de carnaval quem manda são os “meninos” Exus), todavia, confiava nos poderes mágicos, pois, o meu amuleto de Xangô estava grudado ao peito; tinha confiança!

Toinho, muito solícito (mestre-sala), timoneiro esmerado à frente do Escritório dos Filhos da Pauta, estufava de alegria. Paulo César (rouxinol de Oxalá) cantou como uma cigarra do sertão, músicas momescas. Manoel Cambota não resistiu e, ao invés de pular, agarrou a Bia, sua mulher, pra dançar agarradinho. A minha meia conterrânea (ela é filha de Santo Amaro, cidade ligada a Cachoeira) que tem o samba no pé, toda de azul ( Ogum), largou o Cambota e sambou à “sorete”, sozinha, e, eu que estava sentado à mesa com o homem do Blog, Geraldo José, Cida, sua esposa e outros amigos, torci, então, que Ogum rodasse a cabeça da santamarense ( quem é de Santo Amaro já nasce feito) porque, gostaria de trocar língua, para pedir proteção para todos nós da folia, pois, tinha receio da pisa do tinhoso!

De repente, adentra no panteão da folia, a orquestra de frevo, Sapupara, levada pelo vereador Zó. Alguém gritou: lá vem o Comando Virgulino. Como o dia não estava para o meu santo, vendo tudo trocado, então, apino pedi malembe a Oxóssi e a Xangô, pensando que o cangaço tinha ressuscitado. Qual nada! Foi um grupo de jovens com instrumento de sopro, bons artistas, que trouxeram o carnaval do passado, fazendo todos saírem do chão.

Houve uma pausa, silêncio, quando de repente, pensei que fosse um ferreiro batendo o malho em uma bigorna, junto a mim. Meu labirinto saiu do lugar, sem saber onde estava. Como o Bradesco fica defronte ao local do Escritório dos Filhos da Pauta, na minha imaginação policial, julguei que algum malandro tinha explodido o caixa eletrônico, quando de fato, foi Geraldo José, possivelmente, pensando no programa de Varela, da Rede Record ou mesmo no programa do Ratinho, do SBT, bateu numa bandeja de alumínio que estava na mesa, o que muito me assustou. Motivo de sorrisos de “orelha a orelha”.

Os garotos dos instrumentos de sopro voltaram a balançar o ambiente! Todo mundo pulava e cantava a todo pulmão as marchinhas de outrora. Cada uma melhor que a outra. “É hoje que vou me acabar... com chuva ou sem chuva eu vou pra lá”. Foi nesse embalo, que Geraldo José tirava onda de Califa (estava sendo abanado, com um leque, por sua grande colombina, Cida, sua esposa) deu um pinote para cair no frevo, foi quando seu cigarro queimou o meu braço, sendo de imediato despejado cerveja no local da queimadura.

Lembrei que o meu santo havia me prevenido, mas, fui desobediente! “Desculpe Coronel. A culpa foi de Omolú”. Pensava que o Xará, fosse de Oxóssi, orixá destemido, vencedor de batalha. Lembrei-me, que tinha na minha carteira, três búzios, e, como era uma pergunta simples, talvez, recebesse uma resposta. Confirmou que Geraldo José, meu Xará é sem dúvida de Oxóssi, dono de sua cabeça, com passagem de Omolú. Esse orixá, Omolú é das doenças, queimaduras, que se cobre de Palha-da-Costa. Fiquei despreocupado quanto à referida queimadura, visto que, já sabia que logo seria cicratizada, o que ocorreu antes de chegar à minha residência. Saudamos-nos à maneira da seita. Como somos de Oxóssi, o seu ponto teria que ser dito: “Camarada bom é irmão do outro”!

                                                              São coisas de carnaval!

Geraldo Dias de Andrade é Cel.PM/RR – Cronista – Bel. em Direito – Membro da ABI/Seccional Norte – Escritor – Membro da Academia Juazeirense de Letras.

publicado em 07 de Fevereiro / 2012 às 11:00

Espaço do Leitor: O ano que não se perdeu

O cearense Saldanha Rolim e o mineiro Saulo Laranjeiras, protagonizaram no programa do mestre Rolando Boldrin, um reminisce da obra do genial compositor Geraldo Vandré. A cada canção executada, lembrava-me dos anos de chumbo, como jovem estudante e militante de uma corrente estudantil trotskista cujo nome: “COMBATE” simbolizava bem, nossa disposição para a luta contra a ditadura. Confesso que fiquei muito emocionado, como poucas vezes na vida.

Ouvir Vandré é uma catarse - trata-se de um poeta único com mais de 60 composições de sonoridade pujante e letras com muita poesia. Sempre devotei mais tempo à ciência do que as artes, mas rendo-me a boa arte, particularmente a obra musical de Geraldo Vandré, como poeta engajado, orgânico, por esta razão meu apreço multiplicado. Suas melodias e letras são canções de resistência e traduzem de forma singular a simplicidade das coisas e o desejo por um mundo mais solidário. Vivi o tempo da luta com honra e sacrifício pessoal muitas vezes.

Tempos que se perderam no tempo. Em uma das suas mais notáveis composições, mas não a mais famosa, Vandré, assinala: “ fica mal com Deus quem não sabe dar (repartir), fica mal comigo quem não sabe amar “. Revisitei com intensidade meus arquivos mentais de militante, num período difícil, de 1972 a 1982, e lembrei-me na política, particularmente do ano de 1979, quando participei com outros jovens estudantes de todo o Brasil da organização para a reconstrução da UNE, no memorável XXXI Congresso em Salvador  que a retirou da clandestinidade nos estertores do regime militar. Enquanto nas artes, estava sendo lançado pelo grupo TEMUCORDAS, um extraordinário álbum musical ( Long Play ) com composições do quilate de: sangria, cantador, recordança, apocalipse, rodeio, grito de liberdade, sangue e areia, peregrino, filho da terra e TRIBUTO À GERALDO VANDRÉ, esta última, uma justa e reconhecida homenagem a Vandré, um  poeta de enorme sensibilidade.

Nós os que vivemos aquele período, sofremos, choramos, lutamos, amamos não exatamente nesta ordem, mas havia decência, coragem, integridade, queríamos muito e ao mesmo tempo pouco – apenas a liberdade de escolher nossos governantes, hoje temos essa liberdade e uma pálida imagem daquilo que sonhamos. O movimento estudantil logrou de certa forma mudar parcialmente o mundo, notadamente nos aspectos materiais, mas nos esquecemos que não eram apenas as instituições que precisavam ser reformadas, fundamental era, construir o homem novo, com valores éticos e humanos que nos distinguissem dos opressores.

Hoje na política, vivemos tempos de vergonha e imoralidade, não se sabe mais, quem são os mocinhos e quem são os bandidos?  Muitos que empunharam a bandeira das transformações legítimas e verdadeiras se transmutaram e nos cobrem de tristeza, com suas atitudes e eufemismos. Não menciono àqueles que historicamente combatemos, pois não havia expectativa em relação à eles, na construção de uma sociedade nova.  Mas como Vandré um utópico que não resistiu ao mundo empírico... Um mundo bem diferente do idealizado, um poeta sensível e que com facilidade se decepciona, sua canção ventania dá bem o tom das coisas.

Meu senhor, minha senhora,
vou falar com precisão.
Não me negue nessa hora,
seu calor, sua atenção
A canção que eu trago agora
fala de toda a nação.
Andei pelo mundo afora
querendo tanto encontrar
um lugar prá ser contente
onde eu pudesse mudar.
Mas a vida não mudava
mudando só de lugar.

Cantador serei primeiro,
cantando não por dinheiro,
por justo anseio geral.

Por Jairton Fraga Araújo

publicado em 07 de Fevereiro / 2012 às 08:10

Espaço do Leitor: Carnaval e feijoada.

O carnaval de Juazeiro foi realizado, acredito que, com muito esforço e sacrifício, pois a cidade esta muito suja, mal iluminada e cheia de problemas. Valeu como sempre, a disposição do povo de Juazeiro que vai para a avenida de qualquer jeito, com bons momentos de alegria, mas este ano sem muita empolgação.

Na rua da 28 assisti e participei do verdadeiro carnaval de Juazeiro, foi muito bom, boas atrações, público maravilhoso e shows de Armandinho, Gerônimo, Adão Negro e tantos outros. Gostei dos filhos da terra.

O que me deixou assustado e decepcionado foi como sempre, uma certa violência de foliões, em bandos, parecendo coisa de Salvador, a música terrível de certas bandas de pagode, expondo a decadência da música da Bahia, que já foi tão emocionante e maravilhosa.

O que me deixou muito feliz foi a "Feijoada do Dadau" no Country Clube que evento bonito! Quanta gente bonita. Não observei nenhuma confusão ou briga, acredito que ali mais de 6 mil pessoas fizeram o verdadeiro carnaval da Bahia e de Juazeiro, apesar de ser um evento fechado, nada, nada mesmo em juazeiro foi mais alegre do que esta feijoada. O show de Margareth Menezes foi ótimo, os espaços alternativos, a interação, tudo muito bom.

Juazeiro e Salvador estão decadentes diante do brilho cultural que já tiveram, mas eu continuo acreditando na Bahia de tantos talentos e um dia teremos mais alegria, música boa para "derrotar" o mal gosto de hoje que impera.

Quanto à Petrolina, vamos esquecer carnaval!

Antonio Romero de Souza

publicado em 06 de Fevereiro / 2012 às 17:30

ESPAÇO DO LEITOR: CALA A BOCA JOJÓ

Caro amigo Geraldo José,

Seu blog ganhou a admiração de todo o povo de Juazeiro e da região por ser imparcial e justo. Por ser acessível e sem discriminação. Por isso, como petista, não admito que um Jojó qualquer continue fazendo impunemente trabalho sujo pra Jonas Paulo ou qualquer outro dos ... do Templo, sem o mínimo de consideração com os mais de 1.300 filiados do PT Municipal.

O que será que Isaac prometeu a essa gente? Como é que eles têm o descaramento de  emprestar um partido sério como o PT sempre foi, pelo menos antes deles? Veja, Geraldo, esse Secretário Estadual, aproveitando a grande audiência da Rádio Juazeiro no pós carnaval, já anunciou previamente que amanhã, terça-feira, dia 07 de fevereiro, no Sem Fronteira, dará uma entrevista em que, ele já antecipa, não será o Diretório Municipal do PT a instância decisória sobre candidatura própria, ou não, à Prefeitura em 2012.

Que loucura é essa minha gente? Meirinha, você tem que se pronunciar. Apresente ao povo de Juazeiro os resultados positivos de sua presidência, mostre a todo mundo as cópias de ações de despejo contra o nosso Partido, no tempo de Tony Martins, Antônio Marcos etc. Meia dúzia de gatos pingados se ..., e o PT do Estado quer obrigar todos e todas entre os petistas e as petistas juazeirenses a engolir essa humilhação de ter de votar à força em Isaac, o pior Prefeito que Juazeiro já teve. A vingança do povo será terrível! O PT de Juazeiro exige respeito e custe o que custar será respeitado, dê no que der. Por isso, enquanto ainda é tempo, Cala a Boca Jojó!

Geraldo José,

Venho solicitar de V. Sa. a CORREÇÃO/SUBSTITUIÇÃO do nome de quem assina a nota “cala a boca Jojó”. Eu coloquei por engano o nome de Graciliano, essa nota é minha e quem manda sou eu pelo email que você mesmo visualiza que é Antonio Carlos, filiado do PT.

Atenciosamente,

Antônio Carlos

publicado em 04 de Fevereiro / 2012 às 21:00

Espaço do Leitor: Criminalidade em Sobradinho

Geraldo,

Ano passado li no blog valeindependente.wordpress.com a frase: Estamos ou não vivendo uma inversão de valores em nossa sociedade?

Na época não entendi bem o que realmente seria viver preso na minha casa, enquanto os bandidos ficam soltos na rua. No último dia 02, quando minha mãe, a irmã dela (minha tia) e a minha filha de 06 (seis) anos, que passeavam na praça central daqui de Sobradinho-Ba, por volta das 21:00h, foram surpreendidas por um marginal e, esse levou dois celulares com uso da força e de agressão física.

Não valendo a vergonha do ato, ao abordarem uma viatura com os policiais militares que por coincidência passavam na avenida principal da cidade, foram acusadas de estar no local errado, pois, ali era reduto de marginais e eles não podiam fazer nada, tendo em vista que eram menores e eles não podiam prendê-los.

Minha mãe na ocasião solicitou que aos menos abordassem um grupo que ainda permanecia no local, pois, o marginal havia saído de junto deles. A resposta foi a mesma, "nós não podemos fazer nada, essa praça é reduto de marginal, as senhores devem ir para casa que esse horário não é hora de estarem na rua".

É mole? Duas senhoras de mais de 60 anos e uma criança de 6 anos, vítimas de bandidos e dos policiais.

O que falta acontecer? Demarcarem a cidade e apresentar os horários e por onde devemos andar?

KLEYTON GUALTER

Quadra S 15 Rua 7 numera 39, Sobradinho-Ba

publicado em 03 de Fevereiro / 2012 às 10:30

Espaço do Leitor: Uma tribuna para o povo!

Geraldo,

Eu tenho postado alguns comentários em seu blog expondo a minha opinião sobre alguns fatos políticos que ocorrem em nossa Juazeiro, tem me deixado preocupado alguns comentários em referencia ao publicado.

Vejo que algumas pessoas tem confundido obrigação com favor, quando colocamos um cidadão para nos representar tanto no legislativo quanto no executivo, é obrigação do mesmo de no mínimo fazer o que prometeu em campanha e infelizmente não é o que ocorre no momento em nossa querida Juazeiro, falo isso não só em relação ao Sr. Prefeito, mais em relação a todos políticos (ex-prefeitos/vereadores/deputados).

Quando critico a administração do Senhor Prefeito ou até mesmo dos senhores políticos de uma forma geral, faço no intuito de informar e de certa maneira ajudar a nossa população a discernir as coisas com  a mesma clareza. Claro que o Sr. Prefeito tem prestado alguns serviços a nossa comunidade, mas está devendo muito em relação ao que ele prometeu em campanha assim como esta muito aquém em referencia aos milhões que tem recebido. É obrigação, e não favor, do executivo prestar contas à população do que recebeu e o que fez com estes recursos e infelizmente não é isto que nos vemos nesta administração.

Muitos juazeirenses como eu, felizmente, tem usado o espaço em seu blog como uma tribuna do povo para cobrar, dar opiniões e tecer críticas a este governo. Porque, infelizmente, a tribuna da casa do povo no legislativo que é para ter este papel, nos últimos anos só tem servido para honrarias e baixarias entre nossos vereadores.

Não tenho paixão política por nenhum grupo, tenho sim, amor por minha cidade, e não posso ficar quieto diante de tanta irresponsabilidade que tenho visto. Desculpem-me alguns internautas que por terem uma visão destorcida ou até mesmo por uma paixão política não conseguem enxergar a verdadeira realidade de nossa cidade.

Outra questão é sobre as obras em ano eleitoral, claro que tem que continuar com tais obras, agora não acho certo é, que faltando alguns meses para acabar o Governo a prefeitura comece a divulgar na mídia uma série de atitudes que vai tomar em referencia as melhorias para nossa cidade.

Fica difícil para população acreditar, como dizer a esta população que só agora depois de mais de 03 anos  conseguiu elaborar um plano para atrair empresas, que só agora conseguiu recursos para combater a dengue/pernilongos nos sofridos povoados, que só agora vai cuidar do básico que é limpeza de ruas, tapar buracos etc.  

Este Governo está ai a mais de 03 anos recebendo recursos e apoio tanto do Governo Federal quanto do Estadual, cidades com muito menos apoio tem feito um governo bem melhor que o de nossa Juazeiro. Aqui também gostaria de incluir alguns dos nossos vereadores, que passaram todos este tempo omissos e submissos.

Na minha humilde percepção estou vendo a cada dia a nossa cidade retroagir, seja no campo da cultura, agricultura, saneamento, conservação de ruas e praças, segurança etc. Isto só para ficar em alguns exemplos, porque se for explanar aqui o que vejo de errado com certeza iria ocupar muito espaço.

Já falei algumas vezes aqui neste blog que a população não pode ter medo do novo, de inovar, não é porque uma mudança não deu certo que temos que continuar no mesmo erro ou retroagir aos erros do passado, e nem tão pouco, achar que é novo quem ajudou a muitos a fomentarem estes erros. Com certeza Juazeiro tem pessoas do bem, pessoas que querem transformar sonhos de nossa população em projetos concretos. Vamos continuar na busca de pessoas que realmente pense mais no povo. O bom da Democracia é que ela nos da esta oportunidade de colocar e tirar do poder aqueles que querem o poder para si e pouco se importa com o povo.

Não é uma utopia termos políticos que pensem e façam alguma coisa pela população, isto acontecer é uma opção nossa. Como sempre falo, vamos repensar nossa cidade e nossos políticos. Infelizmente nossos políticos, com raras exceções, ainda vivem no tempo do coronelismo, achando que um pouco de circo e pão compram a dignidade dos cidadãos.

Já dizia o poeta “Sonho que se sonha só. É só um sonho que se sonha só. Mas sonho que sonha junto torna-se realidade”.

Julio Almeida

publicado em 02 de Fevereiro / 2012 às 20:30

ESPAÇO DO LEITOR: BALAIO DE GATO.

Como curioso na universidade da vida estive a contemplar o momento político nesta cidade efervescente de Juazeiro-Ba., em especial nos reflexos que a mudança causou nos conceitos de ideologia partidária.

Passei dias observando e tentando entender os passos políticos e partidários dos "graduados" em política de Juazeiro, entrei em paranoia, passei noites insones, tomei calmantes, mas enfim acho que consegui captar os desejos ocultos dos navegantes da nau eleitoral de 2012.

O resumo de toda opera se sintetiza num só desejo entre as oposições -destronar o vaqueiro - só que para isto estão acontecendo fenômenos sobrenaturais de estremecer e fazer endoidar mente sã.

Aglomerações e "turmas" estão se ajuntando em bandos que afrontam qualquer raciocínio lógico - Vasco com Flamengo, Bahia com Vitória, Corinthians com Palmeiras, tudo para tentar tirar a mudança do rumo.

O PT em crise existencial - ser ou não ser - saio ou fico- ergo a ou o Bandeira ou desço do mastro - ao passo que Joseph Bandeira tenta sobreviver sendo que para isto está buscando um lugar na chapa majoritária para Edson Tanuri que foi (?) (pelo menos seu genitor) adversário ferrenho de Bandeira, tendo este fazendo o papel de amealhar soldados para a guerra, distribuindo "afagos" para presidentes de partidos locais reacreditarem em Joseph, coisa que nem o próprio PT seu partido faz.

O DEM de JK e meia dúzias de resistentes continua aqui como sempre, meio fusca 1976 meio corcel 1974, sem definir nada, andando com todo mundo e ficando pra trás, não pode marchar com o PT, com PCdoB e nem com nenhum partido da base governista, sob pena de atrapalhar planos futuros, sonhou com candidatura própria -acordou- agora parece que sumiu do mapa, era cortejado,protagonista, agora , novamente, parece que vai virar mero contra regras do espetáculo.

O PMDB da incógnita Misael, (que não se decide) e diz que apoia Edson Tanuri que por sua vez sonha com a vice de Bandeira, então Misael Apoia Bandeira e então o PMDB também? O PMDB voltara para o lugar em que saiu dizendo que Bandeira não honrava compromissos? Osanah foi secretário de Bandeira e expulso do cargo, agora volta para os braços de quem não o amou? Misael e Joseph no mesmo palanque, Bandeira que o chamou de... E Misael que o chamava de...!!!!!! Que tsunami político...

O PV de Edson Duarte começou forte, mas agora está no estágio mediano sendo penalizado pela indecisão dos grandes partidos, e pela ferocidade dos pequenos. Os outros partidos estão ai de boca aberta aguardando o cardápio, conversa-se muito, afagos aqui e ali, mimos aqui e ali, promessas e o "esquenta" eleitoral vai ficando mais forte.

Enquanto isto o PCdoB mesmo com todos os desgastes e rejeição parece tonificar o vaqueiro para mais uma disputa eleitoral, os velhos não se decidem e os novos se embolam nos velhos, e o vaqueiro começa a tocar seu berrante, eita Juazeiro.

Este é o cenário. É ou não é um balaio de gatos?.

Eurico Canavieira Franco - Country Club - Rua Almirante Crockane 28.

publicado em 02 de Fevereiro / 2012 às 09:40

Espaço do Leitor: Obra no João Paulo está mais uma vez parada.

Prezado Geraldo José,

A obra de reforma da Avenida Shefic Khoury está mais uma vez parada. Gostaria de saber do Poder Público qual é a desculpa dessa vez, já que a Secretaria de Serviços Urbanos, a Sra. Célia Regina Carvalho Barbosa disse no programa Sem Fronteiras que a obra tinha prazo de 30 dias para ser concluída.

O prazo esgotou e a obra está parada. A população não aguenta mais tanta demora para a conclusão desta avenida de grande importância para estes bairros João Paulo II, Antonio Guilhermino e Parque Residencial. Até quando vamos ter que viver este sofrimento?

Murilo Ricardo Rocha

publicado em 01 de Fevereiro / 2012 às 17:30

Espaço do Leitor: Por quê Juazeiro cresce?

Está aí uma pergunta danada de interessante. Por quê Juazeiro cresce? Quem são os propulsores que vêm alavancando o seu desenvolvimento nos últimos anos? Perguntas simples para respostas que podem nos levar a muitas conclusões.

É inegável que a Juazeiro de hoje é mais capaz do que a de ontem. Falamos de uma cidade situada em um local estratégico, onde a mesma é uma das principais referências da região, muito por conta da vocação agrícola que impulsiona o Vale do São Francisco para todo o mundo.

Por conta dessa geografia, Juazeiro é também uma importante rota entre o Nordeste e o Sudeste do Brasil, gerando um fluxo rotativo e constante de visitantes na cidade.
 
Outro ponto que merece destaque é o educacional. Apenas com a Uneb, Juazeiro já trazia gente de todo canto do Brasil para estudar aqui. Fenômeno esse, potencializado hoje com o advento da Univasf. São muitos os estudantes que vêm gastar seu dinheiro em nossa região.

Não menos importante, uma grande usina de cana de açúcar situada na cidade é uma das maiores empregadoras de Juazeiro, responsável pela migração da mão de obra de diversos pontos do país.

Então, como pode-se observar, Juazeiro é uma cidade de muitas potencialidades, que a cada dia que passa, são mais exploradas principalmente pela iniciativa privada, que vê aqui, um importante polo consumista em todos os setores. Aliado a isso, vivemos no Brasil uma situação econômica muito interessante, onde todas as  classes sociais tiveram o seu poder de consumo sensivelmente elevado, e esse fenômeno traz como consequência o aquecimento de toda a nossa economia.

Desta forma, a convergência de todos esses vetores, eleva nossa cidade ao patamar de um grande polo de consumo de modo a atrair todo tipo de investimento. Desde o setor imobiliário que tem investido em grandes empreendimentos, às grandes redes de supermercado ou lojas de departamento tal como Atakadão, G-Barbosa, Lojas Americanas e Casas Bahia; às agências bancárias que têm se multiplicado, entre outros investimentos do gênero. Até um Shopping de grande porte para os padrões locais já se comprometeu em se instalar aqui e trazer consigo uma outra gama de investidores e empreendimentos.

Mas o que tudo isso tem haver com a política local? Na verdade, muito pouco. A cidade tem dado sinais de vida própria e claramente passa por um processo de crescimento independentemente de quem seja seu administrador. O problema é que esse crescimento se dá de forma desordenada justamente por falta de políticas públicas que planejem e organizem esse crescimento. Não temos um plano diretor, não temos a bendita zona azul, não temos vias bem cuidadas, limpas e sem buracos, o lado social da cidade foi abandonado, não temos investimentos do próprio município, e por aí vai.

Então, o que temos? Temos uma cidade que apesar de tudo, cresce! E temos um gestor que tenta de todas as formas pegar carona nesse crescimento, já que seu governo inerte quase nada fez, e seu grau de rejeição é altíssimo para quem busca uma reeleição. É comum vermos o representante do executivo em todas as inaugurações desses investimentos privados, na expectativa de se ganhar pontos com a opinião pública. Mas os investimentos são de ordem particular. É bem verdade que a Prefeitura pode conceder um programa de isenção fiscal para ajudar a atrair esses investidores, mas  mesmo sem essas manobras, as coisas aconteceriam porque como já disse, o fluxo de consumo em Juazeiro é o grande foco. A nossa economia é o grande fiel da balança.

Enfim, não se enganem com um belo carnaval com grandes atrações em ano de eleição. Não se enganem com aparições públicas junto a investidores. Não se enganem com obras federais ou estaduais. Nossa Prefeitura e Câmara fizeram muito pouco nesses últimos três anos. Só não vê quem não quer enxergar!

Júnior Silveira

Voltar ao topo
© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2019. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.