Blog do Geraldo José - Espaço do Leitor
Vale do São Francisco - 18 de Agosto de 2019
|
Redação: (74) 3613-3479

Espaço do Leitor

publicado em 05 de Abril / 2012 às 10:00

Espaço do leitor: Os desmandos de nossos políticos.

Que bom se esta ação da Policia Federal fosse mais abrangente, com certeza não só o nome do Deputado Roberto Carlos estaria em destaque.

Existe um rol de modalidades de desvio de dinheiro publico bem conhecidas de todos nós e que os “nobres” políticos usam com primazia, vejamos:

Modalidade 1 – Dos que furtam por meio de obras – É o caso mais clássico de usurpação, licitações dirigidas, preço inicial superestimado, aditivos no decorrer da obra. A fartura, depois é dividida entre corruptos e corruptores.

Modalidade 2 – Dos que furtam por meio de eventos – São os que roubam fazendo festas, dinheiro para contratar bandas, palco, som e até foguetório. Sem realizar licitação, é comum que a escolha de fornecedores seja pautada por critérios políticos. As contratadas superfaturam os preços de produtos e serviços.

Modalidade 3 – Dos que furtam por meio de emendas parlamentares – Parlamentares podem favorecer empresas que financiaram suas campanhas, praticar clientelismo, fazer uso eleitoreiro de obras, entre tantas outras delinquências éticas.

Modalidade 4 – Dos que furtam por meio de contratos de publicidade – Daria para dizer que é modalidade da moda.  Os editais para escolher as agencias de publicidade são feitos para favorecer determinadas empresas.  Além disso, as agencias vencedoras subcontratam empresas ligadas a políticos para realizar serviços.

Como podemos vê, infelizmente, muitos de nossos políticos se enquadram perfeitamente em alguma destas modalidades.

A população tem que esta atenta, pois estamos assistindo um desfile de lobos em pele de cordeiro, muitos acham que o povo é burro e vai se deixar levar por mentiras e promessas vazias.

Infelizmente até o momento não temos se quer um candidato que seja digno de comandar o destino de nossa cidade. Os que se apresentam hoje, são ou foram péssimos administradores, enganaram o povo, se mostraram mesquinhos com os problemas da sociedade.  Faço aqui um desafio, que a população liste as qualidades e os defeitos de nossos nobres candidatos, e vamos ter uma triste surpresa, com certeza vão surgir muito mais defeitos que qualidades.  E a grande maioria, se não todos, já cometeu algum dos deslizes mencionados acima.

Julio Almeida

publicado em 04 de Abril / 2012 às 23:00

A água no Semiárido: E a Secretaria de Recursos Hídricos?

Ao refletir sobre o uso da água no Semiárido, é preciso confessar que ainda sou otimista quanto às transformações que devem acontecer em nossa região. Apesar de constatar que as mudanças feitas pelo atual governo não trazem boas perspectivas.

Vejamos o que aconteceu: o Governo Jarbas foi aconselhado a criar a Secretaria de Recursos Hídricos. Obteve bons resultados. Pôs em foco o secular problema da falta d'água. Saiu-se muito bem o secretário Ciro Coelho. Foram quase mil quilômetros de adutoras.

O atual governo tirou a escassez d'água do foco. Fez muito mal. Colocou os recursos hídricos na secretaria de Saneamento. Uma insensatez.

A água no Semiárido não pode ser menos essencial. As ações de saneamento atropelam os problemas da falta d'água.

As adutoras paradas, os projetos abandonados, as barragens esquecidas. Chegou a seca, devorando as plantações e aumentando a falta d'água. Os governos, federal e estadual são indiferentes. Nem irrigação, nem adutoras, nem barragens, nem barreiros, nem barragens subterrâneas, nem poços amazonas.

Está fazendo falta a secretaria de Recursos Hídricos.

Os pequenos barreiros estão entupidos de lama. Onde está o Governo Estadual para socorrer os necessitados de água?

No início deste mês de março, o jornal Valor Econômico anunciou o lançamento de um programa do governo do Rio Grande de Sul para triplicar a área irrigada no Estado até 2014 em decorrência da seca ocorrida naquele Estado. Essa notícia me fez comparar outra vez o tratamento desigual que é dado à nossa região.

Em Pernambuco, há um modelo contraditório. Aqui, dez anos parados na irrigação; parados até os projetos em fase de conclusão – exemplo, o projeto Pontal no Sertão (Petrolina).

No Rio Grande do Sul, uma seca reclama mais 300 mil hectares para um estado já servido por um milhão e duzentos mil hectares. Pernambuco tem 70% de semiárido e um modelo econômico que ignora a irrigação. Isso vai ser reprovado pela sensatez de outras gerações.

Pernambuco vive secularmente de seca. O melhor antídoto para a seca é a irrigação.

Por que há dez anos a irrigação foi paralisada?

Por que os que estão no poder condenam a irrigação?

Há algum tempo, já se comentava que o País seria em 20 ou 30 anos uma potência agrícola e tecnológica. Este anúncio se relaciona com a informação de que o conjunto da agricultura brasileira ocupa cerca de 20%, apenas, do total das terras que podem ser exploradas para a produção. Para chegar a ser uma grande potência, precisamos fazer mais e melhor.

Aqui em minha cidade, o meu sertão, as minhas caatingas fazem parte do semiárido. A região é muito árida e a vida é muito dura, sobretudo para o homem que não tem irrigação. As barragens têm de ser objeto de carinho e consideração muito especiais do Governo, que deve ser devotado a essa gente, à sua vida e às suas necessidades.

Continuo a sonhar com um Brasil mais equânime, que precisa de justiça e melhor distribuição de renda.

Por Osvaldo Coelho

publicado em 04 de Abril / 2012 às 20:00

ESPAÇO DO LEITOR: NEM DIREITA, NEM ESQUERDA, VAMOS SEGUIR EM FRENTE...

Lendo tudo que vejo, me deparei com a seguinte frase circulante por aí...

“PO..A(aquela palavra...) de esquerda ou direita,  o povo devia ir é para frente...”

Achei legal essa criatividade e passei a meditar a partir do seu sentido. Desde que nos entendemos politicamente falando, observamos que existem as tendências, com elas a formação de grupos, e os grupos se tornam partidos, e os partidos seguem para a esquerda ou para a direita, mas o povo descobriu que o melhor mesmo é seguir olhando não para os lados (esquerda ou direita) porque os lados estagnam, mas precisamos olhar adiante, além, sempre em frente...

Assim são as cidades. Como são nelas que vivemos e vivenciamos, delas devemos cuidar, zelar, promover o bem comum, com igualdade social, determinação, vontade de fazer e construir um universo melhor, seja onde quer que você viva, se numa mega cidade ou numa minúscula vila...

Lados sempre existiram, e nós sempre optamos por ficar de um lado ou do outro, parece que isso é mais cômodo, parece ser mais fácil, mais adequado a nossas conveniências, ou mesmo aos nossos medos...

Mas buscando entender o desabafo da frase que motivou essa reflexão, podemos dizer que precisamos aprender a não ter medo do molhado, da distância, das alturas, nem das montanhas. Precisamos entender que as cores dos lados apenas pintam o quadro de nossas opções, que a mentalidade e as doutrinas dos lados não podem subtrair nossa capacidade de pensar, ter vida e brilho próprio...

Por assim entender, vejo que “o mundo está pronto para aplaudir as suas vitórias.”

Vá, não olhando para os lados, nem pelo retrovisor... Com seu binóculo, ou com os faróis da sua inteligência, ligados em luz alta,  logo vai enxergar o Futuro, porque só vê as novidades, quem olha para a frente....

Acord@dinho<O>.

Seguidor do blog e apaixonado por Juazeiro.

PS: Foto ilustrativa escolhida com carinho por Acord@dinho.

publicado em 03 de Abril / 2012 às 23:00

ESPAÇO DO LEITOR: A GLOBALIZAÇÃO DA DESUMANIDADE.

Poderia nesse momento me retratar aos fatos históricos do conhecimento, mas não, vou ser ainda mais sucinto, me retrato ao ser humano, como parte da sociedade, que de humana nada tem, ao descaso com os casos dos que menos tem, a luta pela dignidade humana, sendo que o humano pratica violência e corrupção, isso é de fato uma indignidade na sociedade.

Nesse mundo desenvolvido da globalização, concentração de riqueza, ainda é com certeza, o desejo da população. Ganhar pouco? Jamais, isso é balela, o capital tá acima de tudo, e vamos, contudo procurar nosso lucro, nem que tenhamos que passar alguém para trás.

É assim que a sociedade humana da globalização se desumana diante de sua insatisfação. Sem mais delongas, fica a pergunta no ar, será que todos nascemos apenas para lucrar? Ter poder, concorrer, e mais que tudo isso, viver toda vida buscando um danado de um papel numerado, que faz de quem não tem, um antissocial, de quem tem, um dominador das coisas sociais. E onde será que fica o sentido da existência da humanidade?

Jerson Souza - Aluno Procampo

publicado em 03 de Abril / 2012 às 11:00

Espaço do Leitor: Morador cobra conclusão de obra no João Paulo II.

Prezado Geraldo,

No dia 31 de março completou um ano que o prefeito Isaac Carvalho assinou uma ordem de serviço para recuperação da Avenida Shefic Khoury, ordem essa que foi comemorada pelos vereadores.

Um ano depois a reforma da referida avenida continua se arrastando sem previsão para ser concluída, já que a secretária responsável pela reforma, a Sra. Célia Regina na sua ultima participação no programa Sem fronteiras, disse que no máximo em 15 dias a obra estaria concluída, coisa que não aconteceu.

A população sofrida espera ansiosa pela conclusão desta obra que é de grande importância. Gostaria de pedir ao Poder Público que não espere chegar as eleições para tentar enganar o povo com  obras eleitoreiras, conclua a obra o quando antes!

Atenciosamente,

Murilo Ricardo

Morador do Bairro João Paulo II

publicado em 03 de Abril / 2012 às 08:30

ESPAÇO DO LEITOR: O ISOLAMENTO DO PT DE PETROLINA

O evento com os delegados do PT, neste domingo (01) que aclamou o deputado Odacy Amorim como candidato a prefeito em Petrolina, mostrou aspectos reveladores.

A falta de representação de peso no evento revelou o isolamento em que o partido está submetido.

Apenas Belarmino, presidente do PT do B apareceu. Nenhum representante estadual de peso apareceu para prestigiar o evento.

Aliás, nem vereadores. Apenas Osinaldo Souza (PP) e Cristina Costa (PT) estiveram por lá. Esses já estavam no processo.

O Partido dos Trabalhadores luta desesperadamente para entrar no jogo. Já se tem notícias de convites à Presidente do Sinsdesmp Léia Araujo e até ao presidente do PTBmunicipal, Alexandre Mota, que teriam sido convidados para compor a vice na chapa do PT. Os dois teriam se negado a embarcar no projeto.

Até o PC do B que entrava em qualquer guerra com o PT declinou do convite e já anunciou apoio ao PSB.

Sobrou o empresário Vilmar Cappelaro do PPS, mas uma Resolução aprovada no Congresso Nacional do Partido em Brasília, proíbe expressamente qualquer aliança com o PT, sendo somente permitidas as que sejam feitas com o DEM, PSDB e PPS. Teria que se conseguir uma liberação especial para esse processo. O que achomos quase impossível, pois não haveia razão espcial para isto ocorrer em Petrolina.

Nem os próprios partidários históricos do PT se animam com o projeto de candidatura própria. Muitos dos filiados já comentam a insatisfação e se preocupam com o desfecho para um projeto que consideram “equivocado” pela condução e falta de amparo político para se sustentar. Outros já são vistos em eventos de outros partidos.

Há ainda a preocupação dos candidatos a vereador do PT. Sentem pouca firmeza na manutenção do PP na aliança e sabem que essa debandada custaria caro e impossibilitaria a eleição de qualquer candidato da legenda. De cara custaria a reeleição da vereadora Cristina Costa.

O fato é que o PT de Petrolina segue como uma Nau desgovernada capaz de tirar do sério a deputada Isabel Cristina, de discursos seguros e opiniões firmes,  e que agora ataca de forma ácida os seus adversários em discursos que lembram os velhos panfletos que faziam sucesso há vinte anos. E que envelheceram, exatamente como as ideias radicais dos que ficaram pela estrada.

Marcos Antonio B de Moura - Estudante universitário

Foto: Joselito Tavares
publicado em 03 de Abril / 2012 às 07:30

Espaço do Leitor: Desperdício na Segurança Pública de Juazeiro.

Geraldo,

Na Delegacia de Juazeiro o governo fez uma central de informações onde estariam juntas as policias civil e militar, bombeiro e outros serviços públicos para poder integrar as ocorrências em geral (como o 911 dos Estados Unidos). Vejam as fotos do dinheiro público mal usado. O equipamento está se estragando no tempo e ninguém usa!

Será que o delegado tem o que a dizer sobre esta central? É uma sala com várias mesas para atendimento telefônico, dormitório já com camas, banheiro com chuveiro elétrico e tem até um gerador de energia, exclusivo, para não faltar energia que ainda não foi instalado e deve ter custado uma nota preta. A sala está abandonada e o cupim e a sujeira tomam conta como podemos ver nas fotos.

Juazeirense indignado

publicado em 02 de Abril / 2012 às 18:00

Leitor cobra recuperação total da BA-210

Caro Geraldo,

Seu blog é leitura diária e obrigatória. O que me faz te escrever é a situação da BA 210. O governador consertou a estrada em Paulo Afonso até o posto da ADAB e aqui de Curaçá a Juazeiro, inclusive, duplicou o trecho até o Mercado do Produtor local.

Esqueceu-se de Curaçá até o trecho da ADAB em Paulo Afonso e de Sobradinho a Sento-Sé. Estou te mandando uma montagem anexa de uma propaganda do governo onde ele diz uma coisa e a realidade é outra, inclusive com uma foto publicada o seu blog. Ele está querendo enganar o povo mas nós estamos de olho.

Não faço parte de nenhum partido político o que eu quero é tentar ajudar de alguma forma a resolver esse problema. Espero contar contigo na divulgação da foto no seu blog, caso seja possível.

Parabéns e um forte abraço.

Roberto Junior

publicado em 02 de Abril / 2012 às 17:00

ESPAÇO DO LEITOR: A PROVA E A DEFESA!

A palavra prova tem a sua origem no latim, probatio, que se deriva do verbo probare, que significa demonstrar, reconhecer, formar um juízo. Dentro do sentido jurídico, são evidências que se demonstra pelos meios legais da existência ou veracidade de um fato material ou de um ato demonstrado. A pretensão do autor e a resistência alegada do réu constituem a prova.

Dos atos legalmente ordenados para apuração dos fatos, daí, surge a descoberta da verdade. O acusador objetiva a pretensão punitiva e o acusado a defesa. A finalidade da prova é o convencimento do juiz. O objeto da prova, ou thema probandum, conforme Frederico Marques é o fato, bem como as circunstâncias que se fazem necessárias ser demonstradas no processo. Os fatos sem pertinência, sem o objeto da acusação devem ser excluídos da prova. Os fatos que o povo já os conhece, evidentes, não precisam da demonstração de prova. “Notoria vel manifesta non egent probatione”.

Art. 156 do Código de Processo Penal. “A prova da alegação incumbirá a quem a fizer, sendo, porém, facultado ao juiz de ofício ordenar, todos e quaisquer diligências, inclusive, desentranhar do processo as provas ilícitas obtidas em violação a normas constitucionais ou legais”.

A crônica de minha lavra, denominada “MINHA CASA MINHA INJUSTIÇA!” foi feita, tomando-se por base as denúncias veiculadas na mídia. O Direito Administrativo é um ramo do direito público interno que tem que observar os princípios de:legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. Portanto, a administração pública quer seja direta ou indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos citados princípios, conforme o artigo 37 da C. Federal. O princípio da impessoalidade quer dizer que os atos administrativos não são imputáveis ao agente que o imitiu, porém, à própria Administração. Conclui-se que, é proibida a publicidade oficial veicular nomes, símbolos ou imagens que caracterizam formação pessoal (art. 37, & 1, da C.Federal). Logo, qualquer propaganda de promoção pessoal nos fundos de ônibus, em tratores, etc, costume de vários prefeitos, pelo Brasil afora, infratores que se autopromovem, fiquem cientes que cometem uma ilegalidade.

Existe uma expressão em ioruba: “Bojurí enu a dáke” que significa: (Não é tudo que os olhos veem que a boca deve falar). Essa máxima não cabe ao se referir a interesse público  que visa o bem comum, bem social, no qual os possíveis atropeladores do direito precedência no que tange à MINHA CASA MINHA VIDA, conforme as denúncias já explicitadas para os quatro ventos, sendo verídicas, não é por demais o registro da seguinte máxima: Jesus -  “Se alguém quer ser o primeiro, deve ficar em último e servir a todos!”

A crônica MINHA CASA MINHA INJUSTIÇA, jamais citou o nome de alguém, muito menos apontou o culpado ou os culpados; sim, comenta os fatos publicados. Deve-se apurar – disso ninguém discorda – para depois julgar, e, se culpado, condená - lo. “Quando os instintos falam mais alto que os sentimentos, quando o orgulho sufoca a humildade, quando o ódio não dá espaço o perdão, quando a cólera aniquila a compaixão, estejamos certos de que padecemos de uma terrível doença chamada egoísmo; grave enfermidade capaz de gerar os mais atrozes sofrimentos”. (Chico Xavier).

A imprensa – que é o olho do Estado – cumpre o seu papel de bem informar o que se passa na sociedade. O Estado – sabemos que muitas vezes cochila por conveniência. A imprensa sempre alerta para fechar as portas aos erros e deixar a verdade na rua!

A ninguém é vedado o direito de defesa; preceito constitucional. Primeiro é preciso julgar para depois condenar! Cabe ao ofendido resistir à pretensão do acusador, combatendo aquilo que lhe ofendeu. O ofendido, em matéria de direito, cabe apresentar a contraprova para anular a anteriormente. “Sem a prova certa e convincente não se pode afirmar a existência do crime e muito menos condenar alguém. (TJ de Minas Gerais in jurisp. Mineira, VII/33).

Não é preciso se recorrer à experiência de Diógenes de Laércio - Diógenes o cínico – filósofo grego, escritor - para procurar a verdade teve que acender uma vela. Não se tem dúvida que, concernente às denúncias bem notórias, trata-se de um fato gravíssimo, que se deve ir à busca da verdade para a tranquilidade pública. Os acusadores tendo as provas em mão: consubstanciadas, robustas, palpáveis, devem apresentá-las à autoridade processante, que serão objeto de apuração.

Gostaria – confesso – de apalpar as provas alegadas, mas, não as tenho! “É preferível absolver um possível culpado, à condenação de um inocente. Em manifesto completo de provas, inclina-se a justiça para solução que melhor atenda à equidade”.(TJ MG – Minas Forense, Vol.10, pag. 269).

Geraldo Dias de Andrade é Cel.PM/RR – Escritor – Cronista – Membro da ABI/Seccional Norte – Bel. em Direito – Membro da Academia Juazeirense de Letras.

publicado em 02 de Abril / 2012 às 07:00

ESPAÇO DO LEITOR: RIDE E NEGO D’ÁGUA, DUAS ENTIDADES MITOLÓGICAS... MAS, NOSSAS!

Quando vazaram informações do ateliê do escultor de bi-nacionalidade, brasileira e francesa, Ledo Ivo, de que empresários brasileiros com interesses milionários nos Estados Unidos estariam negociando a transferência de nosso mais famoso monumento para aquele País, como forma de mimo ao Presidente Obama, o fato causou grande alvoroço, preocupações e indignações entre juazeirenses, petrolinenses, paisagistas, ambientalistas, poetas, historiadores e amantes em geral das lendas e da cultura do São Francisco.

Não deixa de ser louvável o objetivo desses exportadores de embelezar ainda mais os jardins da Casa Branca ou de fazer companhia à Estátua da Liberdade no Rio Hudson, que corta New York. O que não poderíamos admitir e, felizmente, não ocorreu, é que o nosso “NEGO D’ÁGUA” fosse o escolhido para essa finalidade. Que se contrate um primo, filho ou irmão de nosso Saci, da fina poesia de Pedro Raymundo, em“Lenda das Águas Barrentas”, um dos clássicos de seu livro“O PÁSSARO QUE CRIOU RAÍZES”.

Quando o então Prefeito, Fernando Bezerra, levava seus convidados de fora para passear pelas ilhas do Rio São Francisco, o piloto da lancha, um dos mais experientes e preferidos dos bacanas e que era conhecido como Nego D’Água (já falecido, tinha a tez negra e grande conhecimento do assoreamento do rio), tomava a iniciativa de levá-los ao famoso monumento e dizia: “ Olha, Fernando foi secretário de estado, prefeito várias vezes, vai ser governador e não tem uma estátua, nenhuma homenagem... e eu, que não tenho tanta importância, já consegui um monumento em minha homenagem”. Todos riam e eram obrigados a concordar.

No próximo capítulo falaremos de outra de nossas lendas: A RIDE – Região Integrada de Desenvolvimento Econômico, criada por Lei do Congresso Nacional em 2001, que a gente sabe e acredita que existe e da qual nenhuma autoridade regional trata.  Deixemos essas considerações para breve, para o texto não ficar longo.

Jaime Badeca Filho é advogado e ensaísta político e literário

publicado em 01 de Abril / 2012 às 20:00

Espaço do Leitor: Obra da Orla em Curaçá.

Muitos já me perguntaram a respeito da obra de extensão/ampliação da orla em Curaçá. Tentei uma matéria na Revista Cura'Saae, mas não fui atendido pelos gestores municipais. Resolvi dar uma pesquisada no Portal Transparência Brasil e encontrei o seguinte: Obra em execução, verba liberada em 30/12/2011, um total de R$ 26.617,50, isso de um total de R$ 487.500,00. As pergunta são: o que aconteceu com esse dinheiro? Quando a obra sai do papel? Será que até o fim do prazo de vigência (5/11/2012) a orla estará pronta (pois estamos em ano eleitoral?).
 
Para encontrar outras obras de Curaçá que tem (ou tiveram) verbas federais é só consultar o endereço eletrônico abaixo: Clique aqui
 
Um abração a todos.

Maurízio Bim

Imagem Ilustrativa
publicado em 31 de Março / 2012 às 23:00

ESPAÇO DO LEITOR: O POVO SABE SEPARAR O JOIO DO TRIGO.

O brasileiro, principalmente os menos favorecidos, sempre sonhou com a casa própria. Era reivindicação constante, em todo o território nacional. Programas de moradias para a população foram criados aos montes, sem, enfim, lograr êxito. Os que ganhavam até 03 salários mínimos, quando contemplados, não conseguiam pagar as mensalidades e, inexoravelmente, ou repassavam seu imóvel ou eram despejados pela Caixa Econômica Federal. 

Até o final de 2002, poucos se aventuravam a adquirir imóvel através da  CEF, devido aos juros exorbitantes, exercidos por esta instituição. 

Com a chegada de Lula à presidência, foi criado o programa Minha Casa, Minha Vida, bandeira defendida pelo Partido dos Trabalhadores, com o objetivo de levar moradia a todos os brasileiros, principalmente os mais humildes. 

“Minha Casa, Minha Vida” mudou o cenário nacional com relação a prover de casa própria aqueles que foram esquecidos em governos anteriores. 

Hoje, até que não tem renda, pode ser contemplado com uma unidade para morar. É a política do socialmente correto, implantada pelo governo Lula, que tem continuidade agora no governo Dilma. 

Hoje, o programa é uma realidade nacional e muitos tentam se arvorar desse projeto tentando passar para a sociedade como se fosse seu. Como se fosse feito sem a participação do governo Federal, que investe em moradia, tanto quanto no combate ao desemprego, na perseguição de juros baixos, no saneamento, na geração de emprego e renda, na educação para todos, enfim, em todas as atividades que fazem da vida da população menos onerosa.   

Àqueles que querem se apossar das políticas públicas do governo federal, tentando iludir a sociedade, um aviso: o povo, agora, sabe separar muitissimamente bem, o joio do trigo. 

A prova disto, é alta avaliação alcançada por Lula, que, sem coincidência, é aplicada ao Governo Dilma! É  o povo fazendo justiça a quem os vê como seres humanos e não apenas como eleitor. 

Gilberto de souza Pires

Secretário de Comunicação

PT Petrolina

Imagem Ilustrativa Google
publicado em 30 de Março / 2012 às 23:00

ESPAÇO DO LEITOR: NEM NA HORA DA MORTE!

Quinta-feira (29) por volta das 16 horas na BA-235 (Próximo Posto Fiscal) aconteceu uma colisão envolvendo dois veículos.

O veículo D-20, dirigido pelo agricultor Lourival Nogueira que se deslocava para a cidade de Casa Nova, atravessou a pista colidindo com outro veículo F-4000, que vinha na direção contrária.

O agricultor foi a óbito, pois o mesmo ficou preso nas ferragens não suportando os ferimentos causados pela tragédia.

O problema é que o sofrimento da família apenas estava começando, pois o corpo do agricultor que deu entrada no IML por volta das 19:30 h, não foi liberado para a família, sendo que os familiares só conseguiram a liberação nesta sexta-feira pela manhã, ocasionando assim um sofrimento ainda maior,  pois a família ficou impossibilitada de velar o corpo do seu ente querido durante toda noite. Tudo isso em virtude da atitude do médico legista de plantão.

O mesmo ignorando apelos dos familiares e até de algumas pessoas ligadas a ele, simplesmente virou as costas, se dirigindo para sua residência, alegando que o IML não podia fazer nenhum tipo de procedimento cadavérico na noite da quinta-feira. Ele adiantou que por falta de estrutura do IML, e uma lei do Estado, esse tipo de procedimento não é permitido ser feito depois das 18 horas.

O mais estranho é que mesmo não atendendo aos apelos dos próprios colegas de trabalho, causando assim indignação por parte dos mesmos, ele foi irredutível.

Outra coisa que nos chamou atenção foi o que uma policial nos revelou, que há alguns meses atrás, um acidente que aconteceu em Sobradinho, nas mesmas proporções, foi feito o procedimento legístico do cadáver, por meio de influência política.

Agora fica no ar a pergunta: Aquele órgão funciona através de conveniência, de poder político? Se você tem ou é alguma coisa a liberação é feita sem nenhum tipo de problema.

Fica aqui a minha indignação e repúdio a estas pessoas que mesmo na hora da morte não conseguem respeitar o próximo.

Adauto Santos Farias (Radialista)

publicado em 30 de Março / 2012 às 17:00

ESPAÇO DO LEITOR: PUNE E NÃO EDUCA!

Geraldo,

Parabéns pelo blog.

É minha leitura diária, obrigatória e prazerosa.

Beijos,

Sibelle Fonseca

PUNE E NÃO EDUCA!

Durante a minha infância passava os meses de férias na roça dos meus avós em Casa Nova-BA. Eram dias felizes, apesar da seca castigante, da aridez do solo. Era uma roça com pouco conforto. Tinha um fogão a lenha, mas não tinha geladeira. A energia elétrica não chegava por lá. O prato de todos os dias era bode retalhado e salgado. Uma técnica que meu avô conduzia com muita habilidade. A carne ficava estirada até que comêssemos o último pedaço. Três, quatro dias depois, outro animal era abatido para o consumo.

O abate, o retalhar do animal que ficava “espichado” para curar fazem parte da minha memória e de muitos que tiveram uma vivencia na caatinga como eu. Graças a Deus! Uma cena comum para nossos olhos áridos. Uma cena do nosso cotidiano ver o bode à mostra, salgado , seco, na feira, no mercado, na rua Flaviano Guimarães - a rua do bode e noutras esquinas da cidade.

Isso é cultura! Culinária regional é cultura! Galinha caipira, ovo de capoeira, rapadura, doce caseiro, buchada, rim de bode, sarapatel, fussura ... tudo isso é cultura! O fazer e o saber de um povo são cultura que deve ser respeitada. O modo de produzir é cultura!

Nenhuma novidade existe em minhas palavras. A novidade é que, de uns tempos pra cá, o bode e outros produtos regionais estão na mira da lei ou dos absurdos dela. Produtores e comerciantes foram surpreendidos com novas normas e medidas, sem explicação maior. Tiveram que aposentar suas técnicas ancestrais, agora consideradas marginais e clandestinas. Nenhuma campanha educativa, nenhuma ação pedagógica, nenhuma cartilha com orientação e nenhum prazo para adequação.

Eles só sabem que estão fazendo errado, mas ninguém diz como se faz certo. Primeiro, mandaram colocar telas para os retalhados. Eles colocaram. Agora a tal tela já não serve mais. Bode só fresco com carimbo de um matadouro privado que cobra R$ 14,50 para abater uma cabeça. Pude ver e tenho fotos da carne tratada nesse matadouro e afirmo que eles precisavam tomar uma aula com quem abate no terreiro de sua rocinha. A carne que vi tem resto de couro. E couro pode contaminar a carne, Vigilância Sanitária!

Os guerreiros criadores e comerciantes, a quem chamo respeitosamente de "bodeiros", querem fazer direito. Querem e precisam de informações para estar dentro da lei, senhora Promotora de Justiça! Porque não oferecer cursos de capacitação, elaborar uma cartilha com orientações, ADAB? Para eles, restou a prisão em flagrante, o constrangimento de serem escoltados pela policia, humilhados diante de clientes e vizinhos. Restou pagar uma fiança que pode chegar a 12 salários mínimos, dinheiro que eles passam meses ou anos para contar. Para eles restou responder a processo como delituosos, infratores, réus.

Não queremos comer alimentos contaminados ou de qualidade duvidosa. Nem eles querem vender. O que se pede é bom senso. É respeito a cultura nordestina. Respeito a dignidade de pequenos empresários, de pequenos produtores, de agricultoras que criam galinha sem hormônios, fazem doces sem conservantes e sobrevivem dessa atividade. Que a lei sanitária seja cumprida. Que as fiscalizações sejam feitas, mas que sejam fiscalizações cidadãs.

Zé do bode, Maria da buchada, Ana do doce querem produzir com tranquilidade e segurança. Ensinem a eles, mas não prendam!
Eduquem antes de punir!
Não espalhem o terror, o temor entre essas pessoas de bem.
Não abusem da autoridade, do poder.
Juazeiro não tem dono. E tem! O povo é seu legitimo dono!

A sociedade juazeirense não deve se resignar assim diante de tamanha injustiça. O direito deve ser interpretado com inteligência e bom senso, porque ele nasce da sociedade e deve servir a ela. Lembrando o doutrinador Miguel Reale, o direito existe para solucionar conflitos. E eu complemento: jamais para criar conflitos.

Voltando as minhas memórias de infância, o bode da roça do meu avô, o queijo coalho da minha avó, a rapadura do velho engenho fizeram de nós crianças saudáveis. Que pena que as crianças de hoje consomem industrializados, agrotóxicos, hormônios, conservantes... Todos eles, dentro da lei!

Sibelle Fonseca

publicado em 30 de Março / 2012 às 10:00

ESPAÇO DO LEITOR: RUA AÍRTON SENA, 06 MESES E A OBRA NÃO TERMINA!‏

Moradores da rua Aírton Sena no bairro Alto da Aliança não aguentam mais os transtornos causados pelas obras de  saneamento e pavimentação das diversas ruas do bairro, que por sinal, estão paralisadas há 4 anos. Já a pavimentação da rua Aírton Sena foi iniciada há cerca de seis meses e no próximo dia 12/04 completa 7 meses e nada de conclusão. As obras de saneamento foram iniciadas em julho de 2008, sendo que até hoje não foram concluídas.

Tereza Ana Gomes de Alencar, 34 anos, moradora da rua Eurico Gaspar Dutra, denuncia o descaso em relação a obra inacabada. “Várias vezes a comunidade entrou em contato com a Secretaria de Obras pedindo solução ao problema, mas até o momento nenhuma providência foi tomada”, diz a moradora. Conforme relatos dos moradores, a pavimentação foi iniciada e a promessa era de que seriam pavimentadas onze (11) ruas, porém nenhuma foi concluída.

A informação repassada aos moradores e destes ao blog é que a empresa contratada parou o serviço por falta de pagamento. “Não tem placa no local com o valor da obra, o Ministério das Cidades destinou verbas? A presidente Dilma anunciou liberação de verba para drenagem e pavimentação deste e outros bairros, pelo menos isto foi propagado nos canais de comunicação de nossa cidade. Você lembra? Não, pois eu lembro”, concluiu o comunitário Cícero José em email ao blog.

PS: A reportagem esteve no local e confirmou a veracidade das informações relatadas pelos moradores. O que foi construído já está se destruindo pela não conclusão da obra. (Fotos do blog)

publicado em 29 de Março / 2012 às 23:00

ESPAÇO DO LEITOR: ORLA II – DESPREZADA.

AS COISAS QUE EU VI, OUVI E VIVI. 

MAGOM – Contabilista, Administrador de Empresa e membro do Lions.  

ORLA II – DESPREZADA. 

Andando pela Orla II, mais ou menos às o6h30m da manha de um sábado, vi dois casais tirando fotos e conversando. A máquina fotográfica estava direcionada para o rio, ainda bem. A conversa era muito gesticulada e apontando com as mãos as instalações abandonadas,  daquele ambiente, que bem cuidado seria fantástico. Parei e disfarçadamente fiz de conta que estava amarrando os cadilhos do tênis. Ouvi de uma senhora, me pareceu alemã, mas não era, dizendo: “Este ambiente espetacular se estivesse em Santa Catarina ou no Rio Grande Sul, era ponto turístico Nacional e Internacional. Que pena, tão desprezado! Olhando para os outros: - Vocês observaram a bela vista, estas lindas e antigas construções, a extensão da área?  Os espaços, as árvores, o pátio? Diante da conversa, conclui que eram do Sul do país, e estavam hospedados no Grande Hotel de Juazeiro. Segui em frente.

Costumo dar três voltas na orla II, quando estou caminhando. Naquele dia, diante do que vi e ouvi, sai atordoadamente, quando me dei conta estava na porta de casa. Parei e disse, por... Não tive mais coragem de voltar. Aquela situação me doeu terrivelmente. Logo depois: procurei um ex-funcionário da FRANAVE e perguntei-lhe o tamanho da área. Sua resposta: mais ou menos 10 hectares, incluindo o já construído e os seis acessos. Procurei ainda um servidor da Prefeitura, que está mais ou menos ligado à Secretaria, e ele relatou:- Pelo que sei e ouvi, nada vai acontecer, pois o Prefeito através da Secretaria de Planejamento, quis terceirizar a área para empresários que tivessem condições de revitalizá-la, mas esbarrou na Câmara de Vereadores. Alguns edis não aceitam a terceirização, pois acham que a obrigação é da Prefeitura, com um argumento de que aquele ambiente é público. Ainda alegam alguns, que o Prefeito vai doar a correligionários e fazer política, como já aconteceu ali na orla I.  E concluiu: Só que não é verdade. O projeto está muito bem elaborado e amarrado. As empresas que vencerem, assinarão contratos com tempo determinado, e carta de intenção, demonstrado tudo o que vai ser realizado. Caso o contrato não seja devidamente cumprido,  automaticamente a área será devolvida ao Município.  

Confesso que fiquei em dúvida sobre as colocações daquele servidor. A dúvida é se ele está bem informado ou se existe algum vereador que pense tão pequeno, a ponto de trocar a terceirização, por uma degradação, um abandono daquele. E como se não bastasse ali colocaram o Vaporzinho, parecendo uma criança sem dono, clamando por atenção e respeito.  Das capitais que conheço, algumas têm suas orlas terceirizadas.  

Agora, toda vez que por ali passo, fico mais angustiado. Até porque passei a observar com maior atenção. Não me recordo se conheço uma área tão nobre, tão extensa, tão apropriada para embelezar uma cidade. E melhor, já tem 50% de estrutura. Já pensou instalar ali uma academia, um parque de diversão, uma quadra coberta, uma cafeteria,  restaurantes, uma marina, para se apreciar o por do sol? 

Vou parar. Vou parar porque ali cabe tanta coisa boa!

Na minha contagem, aquela área já está com + -13 anos de abandono. Se há culpados, divida-se por vários, incluindo-se os que reclamam hoje e silenciaram ontem.

 Tenho a impressão de que o Prefeito que a revitalizar, terá o reconhecimento, a gratidão e os aplausos do povo de Juazeiro. 

ESPEREMOS, POIS, ESSE DIA! 

publicado em 29 de Março / 2012 às 08:00

ESPAÇO DO LEITOR: JUAZEIRO DE PERNAS PRO AR.

Vivemos em um momento de êxtase político, as paixões temporais se mostram à flor da pele, mágoas do passado são esquecidas, promessas de casamento eterno são feitas, fidelidades, carinhos, beijos, abraços, tudo é lindo, tudo é encantador até 07 de outubro, após a lua de mel, o cassete come.

Políticos que antes se detestavam que rotulavam uns aos outros de caloteiro, irresponsável, hoje se entreolham e fazem declaração de amor eterno. Uma família de Juazeiro nascida e crescida na direita ortodoxa, hoje distribui afagos ao PT para ser enganchados no reboque da onda vermelha.

Um político histórico sendo rejeitado por duas instancias do seu partido, talvez, por não ter correspondido nos anos que passou à frente da prefeitura, tenta sobreviver na popularidade que ainda lhe resta e dos restos de Misael e JK.

Um outro candidato larga o PCdoB que ajudou a fundar e a eleger o atual prefeito, para correr atrás de misael e JK para tentar chegar ao executivo municipal, quando há tempos atrás tentava este mesmo candidato acabar com a vida política dos dois.

Outro pré-candidato filho de uma tradicional e direitista família da cidade, abraça Misael, Beija JK e casa com Bandeira, pessoa que há alguns anos queria ele mesmo destruir. Jogador exímio matou de uma só vez em 2010 Misael e JK, agora declara amor eterno ao PT  para tentar ganhar simpatia dos petistas na indicação de uma vaga de vice e o mais grave traz para lançar sua candidatura, o famoso  Roberto Jeferson que tentou implodir o PT no escândalo do mensalão do qual ele era organizador já dando sinais de como a coisa vem desenhada.

De dentro do Paço Municipal o prefeito assiste a tudo, avalizado pelo governador que quer excluir Bandeira e deixar o PCdoB mais quatro anos acabando de vez com a resistente e forte cidade. Ou seja, Juazeiro está de pernas pro ar, vejo os Tanuris elogiando o PT, vejo Jandir elogiando Misael e JK, vejo Isaac rindo da cidade, Misael e JK encostando em Bandeira, é isto, vou embora disto aqui, do jeito que vão as coisas logo, logo a cidade vai explodir de tanta hipocrisia e falsidade.

Antonio Augusto - Juazeirense da rua Sete de setembro, centro.

publicado em 28 de Março / 2012 às 10:30

ESPAÇO DO LEITOR: CONSIDERAÇÕES SOBRE UM RIO MORTO – O SALITRE.

Este afluente do São Francisconão nasce na região do Pacuí no município de Campo Formoso, como se apregoa, mas, na Chapada Diamantina na localidade conhecida como Boca da Madeira, no município de Morro do Chapéu, (porção norte da Bahia)  e desemboca na comunidade Divina Graça (boca do Braço) em Juazeiro, à jusante da barragem de Sobradinho. Nasce com o nome inicial de Rio Tabuleiro.

São nove os municípios que compõem a bacia hidrográfica do Salitre: Morro do Chapéu, Várzea Nova, Ourolândia, Umburanas, Miguel Calmon, Jacobina, Mirangaba, Campo Formoso e Juazeiro.

Seu sistema hídrico está morto, pois a existência de 35 barragens, construídas ao bel prazer dos donos de terra, sem nenhum critério técnico hidrológico, mas com forte apadrinhamento político, num pequeno curso do rio de um pouco mais de 330 km, afetou grandemente sua vazão e decretou morte do Salitre.

Por outro lado, o uso desenfreado de suas águas na irrigação e com boa parte do seu leito impermeabilizado por resíduos oriundos da exploração de mármores, somados aos efluentes domésticos lançados em suas águas, contribuíram também, para matá-lo.

Particularmente estivemos em uma dessas barragens, quando prestávamos serviços de consultoria/instrutoria para o SEBRAE no município de Ourolândia. À época levamos ao conhecimento da sociedade esse assunto, através da Rádio Juazeiro.

Segundo informações esta barragem de Ourolândia pertence a pessoas ligadas ao ex-prefeito de Jacobina, Dr. Carlito, político de grande expressão regional. Nesse período a Secretaria de Recursos Hídricos era ocupada por um político juazeirense.

Existe uma curiosidade interessante na entrada do Salitre no município de Campo Formoso na localidade de São Tome. Ali o rio resvala no subsolo, tornando-se um afluente subterrâneo, voltando ao seu leito a céu aberto, na região de Brejão da Caatinga. O Salitre, em Campo Formoso, tem um percurso em torno de 100 km.

Eis alguns afluentes do Rio Salitre: Pacuí- rio das Lages, riacho Tanquinho e da Piaba. Um contingente populacional de 160.000 pessoas milita em torno do Salitre e grande parte desta população cansada de clamar ao vento, tal qual carpideiras, chora a morte daquele que um dia produziu fartura.

Descanse em paz, bravo Rio Salitre.

Malan Calazans- Engenheiro Agrônomo

publicado em 27 de Março / 2012 às 11:30

ESPAÇO DO LEITOR: O SOL DA LIBERDADE.

“Haverá de chegar o dia do grande encontro do povo com a verdade, é um encontro do presente com o futuro. Encontro com aqueles que decidirão por outros tantos, milhares que através dos seus rádios, do recesso de seus lares, estão ouvindo não apenas para aplaudir, mas para dialogar com as suas próprias consciências.  Se fosse apenas para aplaudir, não seríamos uma democracia  independente, mas um grande curral. Nesse grande encontro o povo vai declarar a sua inconformidade com esse estado de coisas que foi implantado, de forma avassaladora no seio da nossa sociedade e que nos oprime pelo marketing perverso e pela ordem cruel que escraviza de forma mais vil as nossa gerações. É de forma homeopática que eles lavam a memória do nosso povo, um empreguinho ali, um aumentinho aqui, uma promessinha acolá e, La se vai a consciência crítica dos menos esclarecidos. O povo precisa ouvir, refletir e avaliar,  para clamar, para reivindicar, para exigir e para declarar sua inconformidade com a situação que estamos vivendo; e decidir.

 Talvez eu esteja sonhando, mas acredito no dia em que o povo e o governo, independente de cor partidária formarão uma grande união para o bem do nosso município e, a minha crença esta pautada na necessidade que temos de fazermos ecoar sobre todos os distritos e sede de Juazeiro o nosso grito de libertação, do dinheiro sujo de campanha, das mentiras impingidas na alma do povo, das paixões utópicas por alguns políticos enganadores e dos ilusionistas da fé pública.

Quando uma multidão se reúne em torno de um aparelho de rádio, acessa um blog, lê um jornal, vê um telejornal, isto significa um grito nos caminhos da sua libertação.

Pode ser que, a minha palavra e a minha verdade não sejam suficientes para levar o meu povo a uma reflexão, podem julgar que o meu conhecimento não seja, também, suficiente para tal ingerência. Mas, o meu amor e compromisso com a minha terra são suficientes para que eu tome a ousadia de convocar todos os meus irmãos de Juazeiro a uma luta de amor e razão, pois nunca deixei de acreditar que somente o jovem inteligente e um povo consciente e que amem a nossa terra, podem transformar o destino da nossa gente.

Chegamos a um estrangulamento na vida do nosso município. É notório que o povo de Juazeiro  já não suporta mais suas atuais condições de vida, sem água suficiente, sem segurança efetiva, sem educação suficiente, sem teto suficiente, sem saúde digna... Sem governo.  Hoje, o futuro esta comprometido e as nossas crianças ameaçadas, estamos assistindo a isso todos os dias em outros municípios e na nossa própria Juazeiro.

Não podemos continuar nesta situação.  O povo está exigindo uma saída. A câmara de vereadores não se identifica com os anseios da sociedade e sim atende de forma subserviente ao mando do prefeito patrão, com exceção de alguns vereadores guerreiros e abnegados que não negam a confiança neles depositada, a maioria da câmara está rendida e ajoelhada a um governo de contas reprovadas e de comportamento, por vezes, supostamente, imoral.  A verdade é que, não podemos continuar nessa situação agonizante. A minha palavra é apenas a palavra de quem não contraiu um escotoma, uma profissão de fé no futuro e no meu povo, a palavra de quem deseja apenas uma saída para essa situação humilhante a que chegamos pela incompetência e por outros interesses. Eu apenas quero ver o nosso município melhor, me perdoem se assim procedo.

 Sempre acreditei no novo e, mais uma vez, volto o meu pensar e esperança para novo e, somente o novo poderá banir, de vez, do nosso meio o velho vício de escravizar as consciências alheias, as velhas raposas da política tradicional.

Então: VISTA SEU SORRISO NOVAMENTE

               ESQUEÇA TODO MAL, JÁ PASSOU

               ARRANQUE ESSA TRISTEZA DO SEU PEITO

              O SOL DA LIBERDADE JÁ RAIOU.

Lucien Paulo

publicado em 27 de Março / 2012 às 07:30

Espaço do Leitor: Seca furiosa.

Roberto Malvezzi (Gogó)

Como ainda não encerrou o período de chuvas no semiárido, não é possível confirmarmos uma das menores pluviosidades das últimas décadas, particularmente onde se convencionou chamar de Polígono das Secas. O fato é que a data simbólica de São José passou e as chuvas vieram em pouca quantidade.

Na verdade, segundo o INPE, deveríamos estar no auge de uma grande seca, que se estenderia de 2006 a 2011. Parece que o período se estendeu, o que agrava a situação. Os barreiros secaram, assim como os pequenos açudes, as cisternas estão com pouca água, muitas sem água. Na Bahia 158 municípios podem entrar em emergência.

Na verdade, se essa situação acontecesse trinta anos atrás, como em 1982, já estaríamos atravessando uma nova tragédia social no semiárido, com intensas migrações, morte dos animais, mortalidade infantil, com necessidade das famigeradas frentes de emergência, assim por diante. Hoje, com a aposentadoria dos rurais, com as cisternas como depósito para pipas (nesse momento não dá para escolher, desde que a água seja tratada), com o Bolsa Família, com a chegada da energia nas comunidades, a situação é grave, mas não é mais uma tragédia como viu a geração de Luis Gonzaga, Graciliano Ramos, João Cabral, assim por diante.

Vão surgir muitos questionamentos sobre as políticas adotadas para vencer essa situação, como vão surgir novamente propostas miraculosas para “acabar com a seca”. Nós, que temos desenvolvido a lógica da convivência com o semiárido não estamos surpresos com esse momento. Sabemos que o semiárido tem uma média de chuvas que varia entre 300 e 750 mm ao ano. Há poucos anos em que há chuva excessiva. Há poucos com chuvas beirando os 300 mm. Mas eles existem.

Portanto, o grande segredo da convivência é a prevenção. A lógica de armazenar a água de chuva nos períodos chuvosos para os períodos secos, a fenagem e a silagem para os animais, a difusão e implantação de um leque poderoso de tecnologias sociais que a sociedade e a Embrapa Semiárido já dominam, a educação contextualizada das comunidades para entender melhor a lógica da região na qual vivem, são as melhores soluções encontradas até hoje. 

Quando a prevenção não é suficiente, é necessário recorrer às medidas de emergência. Emergências acontecem em qualquer lugar do mundo. Não é preciso fazer loucuras como as cisternas de plástico e obras como a Transposição, já orçada em 8,2 bilhões de reais, dinheiro suficiente para fazer 90% das adutoras previstas no Atlas do Nordeste.

Pois bem, falta muito no semiárido para que a população tenha uma infraestrutura adequada para enfrentar essas situações. Além das tecnologias sociais e familiares, faltam ainda as adutoras para os centros urbanos.  Com essa variedade de obras e medidas para enfrentar os períodos mais agudos, esses cenários no semiárido serão sempre mais facilmente contornáveis, já que o clima não muda, e se mudar, como prevê a mudança climática do planeta,  vai ser para pior.

Imagem da Internet
publicado em 26 de Março / 2012 às 10:00

Espaço do Leitor: Wagner adula Bandeira, mas Bandeira diz não.

Muita calma minha gente, muita calma, nessa hora. Eu nunca vi nenhum político de Juazeiro ter a coragem de desatender publicamente um Governador. Tenho orgulho de ser uma Bandeirante, fiel e apaixonada. Chega de puxa-sacos e de covardes na política juazeirense. Naquele seqüestro do funcionário do Banco do Brasil, com toda a família, em 1986, em que os bandidos acabaram seqüestrando também o Bispo Dom José Rodrigues, só um homem resolveu o problema: Bandeira.

Naquele confronto entre Polícia Federal, Polícia Estadual, CODEVASF e os Colonos dos Perímetros Irrigados, 10 anos depois, em que poderia ter ocorrido uma chacina, no NH 01 do Projeto Curaçá, foi de novo Bandeira que resolveu o problema.

Homem tem que ter coragem, para enfrentar, inclusive o exército, então a serviço de Nilo Coelho e ACM na eleição presidencial de 1989, quando tentaram à força tirar a vitória de Lula contra Collor em Juazeiro. Mas Lula venceu, graças a Bandeira, que era o nosso Prefeito e mesmo sendo do PT teve a coragem de apoiá-lo e enfrentar sozinho as conseqüências.

Pergunto: e por que, então, Bandeira deveria ser submisso ao PT da Bahia e ao Governador, que acintosamente empurra goela abaixo das forças progressistas do Estado Otto Alencar, de vice, o mesmo Otto dos grampos telefônicos – ex-governador do PFL?

Não estou com isso dizendo que Bandeira deve romper com Wagner. Acho que Wagner tem memória e tem juízo. Mas se Wagner continuar inflando a bola murcha de Isaac, que conseguiu em três anos destruir Juazeiro, e transformar em ódio de todo o povo a esperança que foi nele depositada por alguns em 2008, eu não estranharia que Bandeira mandasse pastar toda essa gente, e, sobretudo esse governador, que não respeita seus aliados tradicionais. Mas ainda está cedo. Vamos ter calma e continuar seguindo a procissão.

Maria Rodrigues - Uma eleitora fiel e apaixonada.

publicado em 25 de Março / 2012 às 09:00

Espaço do Leitor: Morador do João Paulo II cobra iluminação.

Prezado Geraldo,

Gostaria de solicitar da SUDIC (Superintendência de Desenvolvimento Industrial e Comercial da Bahia) que Ilumine o Distrito Industrial, trecho que compreende o contorno da Nacional Gás ao contorno da Antiga América. Este trecho é muito movimentado e encontra-se às escuras.

Peço providências a quem de direito!

Murilo Ricardo

João Paulo II
publicado em 24 de Março / 2012 às 15:00

Espaço do Leitor: Presidente do DEM presta solidariedade à João Alves em Uauá

Vereador João Alves de Uauá 

Uma pequena reflexão acerca do vereador João Alves 

A Antecipação do pleito eleitoral em Uauá, nos mostra um quadro instável, entretanto bastante previsivel. As pré-candidaturas apresentadas, entre estas, incluo a minha, servem como paramêtros de avaliação da população, para no findar dos prazos estabelecerem-se as alianças e a viabilidade das candidaturas. 

A rejeição das contas do Presidente da Câmara João Alves (PSC), não implica necessariamente em uma incapacidade de concorrer ao pleito, haja vista, que o parecer técnico do TCM foi objetivo em apenas uma avaliação, problemas de repasse ao IRPF, que segundo seus advogados, em especial Pedro Cordeiro, são passiveis ou de pedido de nulidade ou mesmo de recurso à Justiça comum. 

Conseguindo constituir uma dessas opções o vereador concorreria na condição de candidato sub judice até análise de sua defesa por parte das instâncias a serem consultadas. Minha postura durante o Governo atual, foi, é e será de criticas à condução do gerenciamento administrativo do municipio, que lançou sem ter lançado a candidatura do Vereador João Alves ao Pleito. Teorizando, João Alves, seria ou será, o candidato do ônus governamental, aquele que responderia pela defesa dos 8 anos de administração do governo, que por sinal detém uma rejeição superior a 70%. E o Bônus desse apoio, de um grupo politico consolidado, e até de uma determinada benesse da administração municipal, afinal máquina é máquina e com ela não se brinca, para onde iria? 

Ora Já se mostra textualmente, uma aliança tácita com a pré-candidatura do PT no municipio, o que há muito alertava o Vereador João Alves, uma parcela enorme da máquina administrativa já está incorporada, habilmente, á candidatura Petista. Mesmo ante as criticas que perfaço ao atual gestor, vejo na pré-candidatura de João, um alento de ter um homem simples, de familia com uma índole inconteste, trabalhadora, como uma opção que seria viável para a disputa eleitoral, entretanto, imensas vezes alertei ao Presidente da Câmara e a vários de seu correligonários que estavam caindo no conto do vigário. 

O Atual gestor não faria esforços para que seu pedido de reconsideração vingasse, pois já existia anteriormente acordos firmados para que ao findar do processo, e com a sua inegibilidade, ele retornar com gratidão de ter sido outorgado com o apoio do Gestor e seguir a sua orientação para qualquer candidatura que fosse escolhida posteriormente, tanto que nem ao esfriar da reconsideração o gestor já dá como certo sua total inegibilidade e já anuncia um novo pré candidato até 15 de abril, deixando João a ver navios, provando claramente aquilo que o povo já declarou em ditado premente na cidade " O que o Prefeito fala sentado não assume em pé". 

João Alves é do PSC, partido que na assembléia é parceiro do nosso nas criticas efetivas e ricas, da oposição pequena, mas vibrante que fazemos ao Governo Wagner e a todas suas inerentes contradições. Nunca neguei minha amizade pessoal com João Alves, minha estima por sua pessoa e familiares... 

Torço para que o TCM ou a Justiça reveja a decisão tomada, e que ele venha a se constituir como candidato, e mesmo estando em palanques contrários colaborarmos todos para o debate profundo da Uauá que temos, a que queremos e a que sonhamos. Mas faço uma reflexão ao Próprio João e aqueles que o cercam: Será que vale a pena permanecer em um grupo que não lhe tem a menor solidariedade? Em um grupo que lhe abandona no seu pior momento? 

Acredito João Alves, que você e seu grupo tem fator preponderante no processo eleitoral em Uauá, sendo você candidato ou não. Por isso te afirmo de público, e já te confidenciei isso em nossas conversas particulares, espero te ter trilhando no caminho que de fato lhe contempla marchar em conjunto com as forças da oposição, solidificando sua posição de líder politico e abrindo espaços para juntos formamos a grande aliança que poderá modificar os rumos de nossa terra. Esse é nosso pensamento, esse é nosso convite, essa é nossa modesta reflexão. E, independente do que venha a acontecer, conte com nossa solidariedade. 

Marco Aurélio Guimarães Elpídio (Presidente Democratas Uauá)

publicado em 21 de Março / 2012 às 14:30

Espaço do Leitor: “Juazeiro só precisa que cada um faça sua parte”.

Geraldo,

Venho solicitar dos poderes públicos ação imediata em relação ao problema vivenciado por nós comunitários do Bairro Santo Antonio. Geraldo, resolvi não me calar mais diante não só da cobrança da comunidade, como também pelo descaso à minha pessoa como liderança comunitária e pelo tempo perdido saindo do meu trabalho para solucionar este problema. Só na secretaria estive duas vezes com a Srª Angélica tentando resolver a questão em pauta através do diálogo eles prometeram e nunca apareceram.

Aproveito o mesmo para chamar atenção de todas as lideranças comunitárias que amam juazeiro como “eu amo”, para fazer uma viagem interior, ou seja, de dentro para fora do nosso íntimo como ser humano social, político e espiritual que somos e, que temos uma capacidade extraordinária de extirpar qualquer atitude ou atos danosos que venham de encontro àquilo que acreditamos e projetamos para uma Juazeiro que queremos não só para os nossos filhos e também para as futuras gerações, nossos netos.

Precisamos nos reerguer e reconstruir a partir de agora mudanças de valores e práticas de comportamentos perversos que permeiam no cognitivo de algumas pessoas que se aproveitam das Leis que, não são colocadas em práticas no nosso cotidiano para fazerem sua própria lei. É um descaso total ao meio ambiente. Não temos Planejamento Ambiental; Código de Postura só no papel; Plano Diretor Urbano engavetado; ruas asfaltadas sem acesso ao pedestre e sem nenhum viés ambiental; praças só no nome, sem espaço para lazer; arborização sem nenhuma identidade com o meio ambiente, ( consideram o fixo como arborização), calçadas irregulares, esgotos a céu aberto e jogado no rio, buracos e mais buracos que o tal do saneamento que não foi concluído deixou e o Lixo ? Nem quero entrar em detalhes que você comunitário e ouvintes possam responder e cada um fazer a sua parte. Pois, pequenos atos e atitudes podem fazer toda a diferença.

A seguir meu relato:

Olhem, que descaso: Um cidadão do nosso meio político de Sobradinho aproveita a calada do anoitecer e resolve derrubar uma casa que havia comprado. Ele contrata uma retro-escavadeira para fazer o tal serviço. O cidadão executa o serviço sem se preocupar com o que está à sua volta. Não se dar conta que ao lado direito existe uma Igreja Evangélica, uma casa normal como qualquer outra residência, o que o diferencia é uma placa com o nome da igreja. Ao terminar o serviço o cidadão vai embora e deixa o maior estrago e danos irresponsavelmente aos seus moradores, meio ambiente e também à igreja. Joga o entulho nas duas calçadas igreja e vizinhança e também na rua. Ao adentramos no interior da Igreja a escavadeira havia feito um buraco na estrutura da sua parede, seu forro caiu e alguns vasos de colocar flores foram quebrados. Para tirar uma parte do entulho da rua o vizinho de frente com dois bebês que adoeceram por conta da poeira que todo dia invadia sua casa, ocasionado pelos carros que passavam. Eles pagaram uma pessoa para removê-los e o restante eu uma senhora idosa de 79 anos pagamos.

Para nossa surpresa além do problema de saúde que estávamos enfrentando com a poeira agora temos um agravante danoso, os ratos, que saem do terreno baldio que está servindo para os irresponsáveis jogarem lixo. Já temos depoimento de pessoas que viram carroceiro despejando lixo no local. 

Quem me conhece sabe que só criticar e não propor alternativas sua criticas torna-se  evasivas por isso desejo compartilhar com vocês através deste blog algumas ideias que espero sejam úteis e que podem ser colocadas em prática. O momento é este aqui e agora.

Convido a todos e a todas poetas, dramaturgos, artista plásticos, cantores, educadores, estudantes comprometidos  com o viés educação ambiental, empresariado, associação dos aposentados, UNEB, UNIVASF e meios de comunicação em geral para juntos construirmos o  seguinte projeto: ``ADOTE UMA PRAÇA”, com objetivo de envolver a comunidade a não só cuidar da praça mais também como forma de preservar o nosso ambiente e resgate da nossa cidadania através da preservação da nossa plantas nativas, flores, frutos e outros. Acredito que esse lúdico de cuidar das plantas vai oportunizar aos aposentados, donas de casa, jovens aqueles se sentem ociosos a cuidar de algo como forma de resgatar a sua auto-estima e sentir-se útil ao retornar ao meio ambiente e comunidade vida e energia, flores e sombra e acima de tudo a partilha do Amor como nova forma de vida.

Que a criação desse núcleo seja na UNEB, com partição de estudantes estagiários que farão a interlocução entre sociedade e comunidade; Que seja punido através de multa e dado um prazo ao proprietário (que tenha terreno baldio), para cercar o seu terreno, aquele que o descumprir o código de postura e não cercar o seu terreno conforme prazo estabelecido será taxado novamente. A taxa desse descumprimento irá para o fundo criado para a preservação das praças; O desafio está lançando. Que esta sementinha nesse momento chegue e toque nos corações d´aqueles que estão desejosos em fazer algo por nossa Juazeiro que não parte de nenhum grupo político ideológico e sim de um conjunto maior e protagonista de todo o cenário e palco coletivo – Comunidade e Comunitários.

Para nossa reflexão:

``Um grama de ação vale mais do que uma tonelada de teoria.´´ Friedrich Engls

Que a Paz do Senhor Jesus reine em nossas vidas.

Suely Nelson Argôlo

Líder Comunitária – Bairro Santo Antonio

Conselheira do CMAS – Conselho Municipal Assistência Social

Conselheira do CMDDM – Conselho Municipal Defesa das Mulheres

Diretora de Base Nordeste do Sindae – Sindicato de Saneamento Ambiental em Água e Esgoto.

publicado em 20 de Março / 2012 às 12:30

ESPAÇO DO LEITOR: VESTIDO DE AMOR

-E tu vives assim?

-Assim como?

-Vestido de amor...

-É, sou vestido assim desde que Nasci... Em Juazeiro.

Tem gente que é assim, nasce e morre de amor.

Uns de amor pela vida, outros pela terra e outros pelos irmãos, há mais de dois mil anos teve um cara que deu com a sua própria vida um testemunho disso. Mesmo assim alguns teimam em se vestir de amor pelo dinheiro, se for fácil melhor, pelo poder, pelo crime, e até mesmo pela maldade. E, atropelam vidas, matam sonhos, exterminam esperanças, e vivem em nome do mau; esses duram quase uma eternidade. Mas, existem ainda os piores, esses vivem vestidos de amor para bajular, subverter a honra, ser subserviente ao poder, lamber as botas dos poderosos e amar, desesperadamente a manutenção do lodo, esses duram uma eternidade.

Ainda bem que são poucos.

-E tu vives assim?

-Assim como?

-Vestido de amor...

-É, sou vestido assim desde que nasci... Em Juazeiro.

-Tem gente que é assim, nasce e morre vestido de amor.

Pelo seu amor.

Lucien Paulo

Voltar ao topo
© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2019. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.