Blog do Geraldo José - COLUNA DA COPA: Nada como uma copa após a outra e despedida de um injustiçado
Vale do São Francisco - 23 de Março de 2019
|
Redação: (74) 3613-3479
publicado em 01 de Julho / 2018 às 18:00

COLUNA DA COPA: Nada como uma copa após a outra e despedida de um injustiçado

Nada como uma copa após a outra

O futebol realmente é um exemplo para a vida. Nada como um dia após o outro para dar a volta por cima. No caso do goleiro Akinfeev, da Rússia, nada como uma copa, após a outra.

Quem não se lembra do “frango” que o goleiro tomou na Copa de 2014 no Brasil diante da Coreia do Sul? Entrevistado logo após o ocorrido, ele chegou a dizer: "Foi uma falha tremendamente infantil. Um gol ridículo. É totalmente minha culpa”.

Quatro anos depois, tudo muda, o arqueiro da dona da casa vira herói, pega dois pênaltis, elimina a favorita Espanha e classifica seu país para as quartas de final da Copa do Mundo.

É ou não é demais, esse tal de esporte?

 

Obrigado, Andrés

Um dos maiores jogadores de todos os tempos. Não, não estamos falando de Messi ou Cristiano Ronaldo. É que talvez se esses dois mitos do futebol não existissem nesta década, trataríamos Andrés Iniesta com um maior protagonismo. O craque que fez toda sua carreira em alto nível no Barcelona foi um injustiçado.

Referência dentro e fora de campo, que conduz e controla o jogo como ninguém, Iniesta marcou época e talvez seu maior talento tenha sido facilitar o jogo para os demais. Por várias vezes, o jogador disputou a Bola de Ouro mas nunca conseguiu vencer o prêmio, que pena...para a premiação.

O espanhol, que já encerrou sua trajetória no clube que o formou (Barcelona), agora coloca fim, na Rússia, sua história pela seleção. No final da partida, ele comentou sobre este fim: "É uma realidade, essa é a minha última partida pela seleção. No nível individual, uma fase maravilhosa acabou, e às vezes os finais não são como você espera ou sonha. No geral, é provavelmente o dia mais triste da minha carreira".

Vamos sentir sua falta, Andrés.

 

Perigo em dobro

O futebol vem mudando nos últimos anos, principalmente quando falamos em tática, estudo dos adversários e por aí vai. E é verdade, a evolução saltam os olhos e com este avanço, alguns conceitos ou maneiras de jogar caíram em desuso.

Por exemplo, nesta Copa do Mundo, o sistema de jogo mais utilizado são dois jogadores abertos em cada ponta, geralmente velozes e um atacante de área ou não no centro. Uma seleção neste mundial joga à moda antiga e vem se dando bem.

A seleção do Uruguai do “maestro” Oscar Tabarez conta talvez com a melhor dupla de ataque do mundo. Não só pela escassez deste sistema, mas é que estamos tratando de Edison Cavani e Luiz Suarez. O boa campanha dos uruguaios neste mundial, sem contar com a forte defesa, passa também pela boa fase desta dupla.

Olho neles!

Favoritismo é para poucos

Apesar da vitória diante da Dinamarca e vaga garantida nos penaltis para as quartas, a Croácia não soube, definitivamente, lidar com o favoritismo em campo.

A seleção comandada por Modric e Rakitic entrou pela primeira vez nesta Copa, como favorita e uma fortíssima candidata a chegar na final do mundial pelo que apresentou na primeira fase e não fez uma boa apresentação diante dos dinamarqueses nas oitavas de final.

Este peso de tomar as rédeas da partida foi demais para o time croata. A seleção europeia jogou a partida inteira retraída, esperando a Dinamarca tomar as decisões e pouco fez de criativo no jogo.

O fato da seleção da Croácia está a 20 anos sem chegar a um mata-mata talvez tenha pesado neste momento. Exageraram na cautela.

Joga seu futebol, Croácia.

Por Bruno Lopes
POSTAR
nenhum comentário
Antes de comentar qualquer matéria leia as regras de utilização do blog. Qualquer comentário que violar as regras será automaticamente excluído por nossa equipe.

É proibido inserir links (urls) dentro do comentário, caso contrário o mesmo será deletado por nossa equipe.
Voltar ao topo
© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2019. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.