Blog do Geraldo José - Artigo - Desafios da política de esporte para o próximo presidente do Brasil
Vale do São Francisco - 19 de Dezembro de 2018
|
Redação: (74) 3613-3479
publicado em 10 de Outubro / 2018 às 23:00

Artigo - Desafios da política de esporte para o próximo presidente do Brasil

Em um cenário político de polarização e tensão, temas polêmicos centralizaram os debates da eleição presidencial de 2018, enquanto outros poucos foram mencionados, como é o caso do esporte.

O fomento ao esporte é um dever do Estado, de acordo com a Constituição Federal de 1988. Entretanto, seu lugar na política nacional tende a ser minoritário, se comparado com outras pastas ministeriais e funções orçamentárias. Isso inclui o período de preparação para os megaeventos esportivos realizados no país, a Copa do Mundo FIFA 2014 e os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

Ainda assim, os investimentos realizados nos últimos anos não podem ser ignorados. Conforme informações do portal “Transparência no Esporte”, da Universidade de Brasília, entre 2004 e 2017, o segmento do esporte contou com R$ 26 bilhões em recursos federais, a partir de várias fontes de financiamento: orçamento da União, repasses de loterias, benefícios tributários, patrocínios de empresas estatais, entre outros. Somente no ano de 2016, o investimento federal no segmento foi de R$ 4,38 bilhões, impulsionado, é claro, pelos investimentos para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos (63% do orçamento total daquele ano).

Os recursos para o esporte no Brasil têm algumas peculiaridades. Por exemplo, as diferentes fontes orçamentárias fazem com que o Poder Executivo, por meio do Ministério do Esporte, tenha limitado poder de decisão, restrito aos recursos orçamentários. Em 2017, por exemplo, essa fonte representou 19% de todos os recursos federais do esporte, sendo o restante dividido entre isenções fiscais, recursos das loterias e patrocínio das estatais.

Não por acaso, quando houve a proposição da Medida Provisória nº 871 em 2018, que propunha redirecionamento dos recursos de loterias e concursos prognósticos para o fundo de segurança pública, houve significativa mobilização contrária de setores esportivos. Apesar da manutenção de percentuais ao esporte, o impacto dessa alteração precisará ser avaliado nos próximos anos.

A partir desse breve cenário, é possível imaginar alguns dos possíveis debates e decisões a serem tomadas pelo próximo Presidente da República, de acordo com as inclinações políticas e econômicas da nova equipe de governo:

- A manutenção, redução ou eliminação das desonerações e isenções tributárias às entidades esportivas e recreativas, que representam quase R$ 0,5 bilhão por ano, em um cenário de busca por aumento na arrecadação e de demanda de alguns setores por uma reforma fiscal;

- A manutenção, redistribuição ou eliminação dos recursos das loterias e concursos prognósticos, que privilegiam majoritariamente instituições esportivas voltadas ao esporte de alto rendimento, que também se aproximam a R$ 0,5 bilhão por ano;

- Usos ou desmontes das infraestruturas esportivas criadas para os megaeventos esportivos, cuja decisão deverá ser feita em conjunto com os governos estaduais, distrital e municipais, especialmente no Rio de Janeiro;

- Parcerias e/ou estratégias para manutenção e utilização das infraestruturas esportivas e recreativas construídas nas cidades (investimentos da ordem de R$ 3,1 bilhões nos últimos 14 anos);

- Prioridades dos programas federais esportivos, considerando os investimentos orçamentários e a perspectiva de prioridade ao esporte educacional pela Constituição Federal de 1988.

A lista acima torna perceptível que as decisões do próximo Governo Federal podem ser extremamente diferentes e de significativo impacto ao esporte e às organizações esportivas. Talvez esse cenário de incertezas não existisse se a “janela de oportunidade” para criação de uma política de Estado dada pelos megaeventos esportivos no Brasil não tivesse sido fechada pelo caos político-institucional de 2016. Uma política de Estado permite menor variação e continuidade dos investimentos e programas federais, sendo, em teoria, mais eficiente com os recursos públicos em longo prazo.

Parte das discussões que avançavam para construção de um Sistema Nacional do Esporte e Lazer em 2016 estiveram presentes na proposta para o esporte da candidata Marina Silva. Entre os candidatos do segundo turno, o candidato Fernando Haddad propõe a criação de um “Sistema Único do Esporte”. Já Jair Bolsonaro não menciona o esporte em sua proposta de governo.

Entre 2019 e 2022, veremos como as estratégias, programas e políticas de governo utilizarão, ou não, essas diferentes fontes de recursos e qual seu impacto para o esporte nacional.

Saiba mais sobre os recursos para o esporte no Brasil pelo portal: http://www.transparencianoesporte.unb.br

Autora: Bárbara Schausteck de Almeida é doutora em Educação Física e professora nos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física do Centro Universitário Internacional Uninter.

POSTAR
nenhum comentário
Antes de comentar qualquer matéria leia as regras de utilização do blog. Qualquer comentário que violar as regras será automaticamente excluído por nossa equipe.

É proibido inserir links (urls) dentro do comentário, caso contrário o mesmo será deletado por nossa equipe.
Voltar ao topo
© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2018. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.