Blog do Geraldo José - ESPAÇO DO LEITOR: Quero o meu carnaval de volta
Vale do São Francisco - 22 de Setembro de 2019
|
Redação: (74) 3613-3479
publicado em 01 de Março / 2019 às 23:00

ESPAÇO DO LEITOR: Quero o meu carnaval de volta

Já era o tempo em que o Carnaval significava alegria e descontração, festa social com objetivo de comemorar o início da quaresma com a união das pessoas, independente de raça ou cor, através da folia. Quem diria que um evento criado pela igreja católica tomasse contornos tão diferentes. Perturbação, confusão, indisciplina, desobediência, tumulto, desordem e outros tantos substantivos do tipo podem ser usados para interpretar a festa popular mais famosa do mundo.

Enquanto no passado as pessoas se vestiam de maneira diferente da habitual, com trajes divertidos e inusitados como as 'caretas', as mortalhas e outros, o que se vê atualmente são corpos expostos, onde os adereços são as partes íntimas dos despidos. A liberdade aceitável do período momesco se transformou em libertinagem, com a falta de pudor imperando em todos os sentidos. Está tudo deturpado; o folião perdeu o sentido ao desrespeitar o próximo e muitos cantores ficaram sem noção com composições musicais desprezíveis, preconceituosas, discriminativas e com incitação ao sexo e a violência. Como diz o bom baiano, virou 'um mangue'.

Tais comportamentos, não generalizados, já que muita gente do bem, inclusive famílias com crianças curtem a festa e pregam a paz, têm descaracterizado os tradicionais festejos, sejam eles nas capitais e nos interiores. A banalização da violência não é mais prerrogativa apenas de cidades grandes. Brigas, roubos, uso de drogas e até mesmo atos obscenos em público têm afugentado o público de festejos tradicionais de rua. Para se divertir com segurança o pândego precisa desembolsar muita grana.

Misericórdia, coitado do Carnaval, é muita coisa ruim para evento só. Mas não se apoquente, onde existe o negativo também existe o positivo para contrapor; as pessoas do bem continuarão existindo em maior número, e como festa envolve gente não será difícil se divertir com os bons.

Se precaver deve ser o principal comportamento dos que defendem a tese de que "atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu".

"Lembro com muita saudade

Daquele bailinho

Onde a gente dançava

Bem agarradinho

Onde a gente ia mesmo

É pra se abraçar..." – A raposa e as uvas – Reginaldo Rossi.

Por Gervásio Lima  Jornalista e historiador

Por Gervásio Lima Jornalista e historiador
POSTAR
3 comentários
Antes de comentar qualquer matéria leia as regras de utilização do blog. Qualquer comentário que violar as regras será automaticamente excluído por nossa equipe.

É proibido inserir links (urls) dentro do comentário, caso contrário o mesmo será deletado por nossa equipe.
publicado em 02 de Março / 2019 às 08:26
ANTONIO CONSELHEIRO

É verdade, temos que ser menos hipócrita e admitir que muitas mulheres aproveitam o carnaval pra mostrarem suas partes intimas sem nenhum pudor, colocando no lixo o que o ser humano tem de melhor, que é a vergonha e a moral. "Obs. à minoria, porque a maioria tem moral"

publicado em 02 de Março / 2019 às 08:51
Juliana - Lindo escrito. Gervásio. Fora Boso171 satânico. Quim?

Pior ato obseno eh o presidente desejar mal para quem for contra. Mandou nordeste comer capim. Deus..dores seguidas..tô sem graça..doída..cedinho fiz preces por Lula e família!!!..arranquemos forças uterinas pra seguir Unidas..abraços a todas(os)!!!

publicado em 02 de Março / 2019 às 11:23
TAURINO.

GRANDE PROFESSOR GERVÁSIO. É BEM VERDADE TUDO QUE VOCÊ ESCREVEU, NÃO PERCA A ESPERANÇA QUE TUDO ISSO VOLTARÁ. ESTAMOS TRABALHANDO PARA MODIFICARMOS MUITAS COISAS, A COMEÇAR PELA NOSSA QUERIDA JUAZEIRO QUE VAI SER DESPONTADA EM BREVE COMO EXEMPLO DE UMA MELHOR CIDADE PARA VIVER NO BRASIL, COMPETINDO ASSIM COM MARINGÁ-PA.

Voltar ao topo
© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2019. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.