Blog do Geraldo José - Artigo - E se o vazamento fosse de uma central nuclear?
Vale do São Francisco - 15 de Novembro de 2019
|
Redação: (74) 3613-3479
publicado em 26 de Outubro / 2019 às 23:00

Artigo - E se o vazamento fosse de uma central nuclear?

Um debate que gera muita polêmica, e que está em evidência no mundo de hoje pós Fukushima, diz respeito ao modo de produzir energia elétrica utilizando o combustível nuclear.

No Brasil este assunto voltou a tona depois da eleição do governo de extrema direita. A ascensão do almirante da marinha Bento Júnior como ministro de Minas e Energia, e sua entrevista (jornal Folha de São Paulo em 7/12/2018), mesmo antes de tomar posse, deixou claro a prioridade do governo no incentivo que seria dado a energia nuclear para produção de eletricidade, e para gerar força motriz de submarinos.

As duas usinas nucleares instaladas no Rio de Janeiro (Angra 1 e Angra 2) produziram em 2018, uma irrisível contribuição de 2,5% da energia elétrica gerada no país. Logo, sem nenhuma influência significativa na oferta de energia elétrica.

Angra 3 em construção desde 1984 (iniciada há 35 anos), considerada a obra de infra-estrutura mais “enrolada” do Brasil, sofreu sua primeira interrupção em 1986 por questões econômicas. Retomada em 2010, novamente foi paralisada em 2015. Além da falta de recursos para finalizá-la, a Operação Radioatividade, segundo as investigações realizadas pela polícia federal, envolveu o também almirante Othon Pinheiro da Silva, ex presidente da Eletronuclear, em crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, que acabou levando a sua condenação (43 anos de prisão).

Como prioridade governamental, Angra 3 para ser concluída precisa ainda algo em torno de 3 bilhões de dólares (12 bilhões de reais). Sendo que 70% dos equipamentos e materiais já foram comprados (na mesma época dos equipamentos de Angra 2), e estão armazenados até hoje. Os equipamentos já adquiridos  são de um modelo de reator ultrapassado, o mesmo do acidente de Fukushima, um PWR (Pressurized Water Reactor) de 2ª geração.

Todavia, apesar deste histórico de Angra 3, sua conclusão e a construção de uma central com 6 novos reatores no município de Itacuruba-PE, na beira do Rio São Francisco, está prevista para até 2050, com recursos financeiros envolvendo aproximadamente 33 bilhões de dólares (132 bilhões de reais).

Pouco se sabe como se dará estes investimentos, de onde virá os recursospara terminar a construção de Angra 3 e construir 6 novas usinas, quais os modelos de negócios que regerão tais empreendimentos. O que se sabe é que Angra 3 foi incluída no Programa de Parcerias e Investimentos (PPI).

Estas obras faraônicas e megalomaníacas, caso sejam levadas adiante, sem justificativa do ponto de vista econômico, da sustentabilidade e da segurança energética, da questão social, da ética (levando em conta que os resíduos radioativos serão deixados para as gerações futuras); além da questão ambiental, poderão ter reflexos catastróficos para o Nordeste, para os sertanejos.

Esta discussão sobre a instalação de usinas nucleares no país é fundamental, ainda mais nos dias atuais em que um vazamento de óleo cru, de origem “indefinida (?)”, invadiu mais de 25% da costa brasileira. Ficando assim demonstrado neste episódio uma clara conduta de omissão,  de incapacidade do governo federal, responsável pela implementação do Plano Nacional de Contingência (existe desde 2013), de definir estratégias para emergências ambientais, de lidar com situações desastrosas (vide também os incêndios na Amazônia).

Claro que a a negligência, a incapacidade e o despreparo do governo diante de desastres/crimes ambientais já ocorridos, tem que ser levados em conta, principalmente quando se anuncia a construção destes verdadeiros “monstros adormecidos”, que são as usinas nucleares, e do potencial de destruição da vida que carregam intrinsecamente, caso ocorra acidentes severos, de vazamento de material radioativo.

Somos contra estas usinas, não só porque o Brasil tem outras opções de produzir energia elétrica, a partir de fontes renováveis de energia, mais barata, menos agressiva ao meio ambiente, e mais segura. Mas também pelo princípio da precaução, da incerteza científica.

A incerteza científica, ao contrário de permitir a atividade potencialmente danosa, impede-a como elemento essencial do princípio da precaução. Tal princípio no direito ambiental é uma construção que leva em conta a razoabilidade e a proporcionalidade, como bem define o da professor Mauricio Mota Universidade Estadual do Rio de Janeiro em seu trabalho intitulado “Princípio da Precaução no Direito Ambiental: uma construção a partir da razoabilidade e da proporcionalidade”.  Lembrando também que a própria Constituição da República (em plena desmontagem no atual governo)  estabelece em seu artigo 225, caput, que todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, impondo-se ao Poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.

Ora, vazamento de material radioativo por uma usina nuclear é possível sim, e já aconteceu em passado recente. Não se pode admitir argumentos que tentam minimizar o risco, e mesmo negar que  tal risco exista. E existindo o vazamento, caso aconteça, seria devastador, pois é incomparável a qualquer outro tipo de desastre, como queda de avião, rompimento de barragens, etc.

Os elementos radioativos vazados do núcleo do reator  contaminariam o ar, a terra, o solo. Nada mais oportuno lembrar que absorção da radiação emitida é acumulativa, aumenta com o tempo pois os radionuclídeos se acumulam no corpo da população exposta. O que acarretaria sérios prejuízos já conhecidos a saúde humana e de todo ser vivo, ao longo de dezenas, centenas e mesmo milhares de anos.

Então diante de tantos fatos, de tantas constatações, de tantas evidências o que leva o governo brasileiro a tantas maledicências, a tantos descalabros, em propor usinas nucleares em nosso país? Talvez por uma simples razão: a de não gostar do povo brasileiro, do povo nordestino.

Em Pernambuco estamos diante de uma proposta de emenda a Constituição Estadual que mudaria o artigo 216, que veda a instalação de usinas nucleares em seu território. A PEC proposta pelo deputado Alberto Feitosa tiraria este impedimento constitucional, caso sua admissibilidade seja aceita pela Comissão de Constituição, Legislação e Justiça, e em seguida iria para votação em plenário. Precisando assim maioria simplificada de votos, ou seja 2/3 do total de deputados (49), ou seja 33 votos para ser aprovada.

Esta insanidade, caso aprovada, seria de triste memória para os legisladores pernambucanos. Portanto é hora da pressão democrática sobre os deputados. Pois como diz o poeta: quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

Heitor Scalambrini Costa

Professor aposentado da UFPE.

Graduado em física Unicamp/SP, mestre em Ciências e Tecnologia Nuclear/UFPE,

Doutor em Energética Universidade de Marselha-Comissariado de Energia Atômica/França.

POSTAR
14 comentários
Antes de comentar qualquer matéria leia as regras de utilização do blog. Qualquer comentário que violar as regras será automaticamente excluído por nossa equipe.

É proibido inserir links (urls) dentro do comentário, caso contrário o mesmo será deletado por nossa equipe.
publicado em 27 de Outubro / 2019 às 05:19
vera

Bolsonaro eh maluco o projeto de gestão eh destruir o Brasil. Lama em MG e Fogo na Floresta Amazônica e Óleo nas praias.

publicado em 27 de Outubro / 2019 às 05:22
neusa

Bolsonaro eh pior que Collor. Bolsonaro pior que Lúcifer. Bolsonaro pior que Laranjas

publicado em 27 de Outubro / 2019 às 05:26
celia

QUEIROZ CONTINUA ATUANDO. QUEIROZ MOTORISTA DE BOLSONARO TA VENDENDO 500 CARGOS EM BRASÍLIA. A FAMOSA RACHADINHA. 50% fica com Bolsonaro

publicado em 27 de Outubro / 2019 às 05:27
celia

QUEIROZ CONTINUA ATUANDO. QUEIROZ MOTORISTA DE BOLSONARO TA VENDENDO 500 CARGOS EM BRASÍLIA. A FAMOSA RACHADINHA. 50% fica com Bolsonaro

publicado em 27 de Outubro / 2019 às 05:29
yara

Quim apoia Laranjas RACHADINHA de Bolsonaro pode ta com emprego ou mamata de Bolsonaro??

publicado em 27 de Outubro / 2019 às 05:32
jurema

Fernando ta gostando da gestão Bolsonaro destruir o Brasil?O Laranjal de Bolsonaro cresce com apoio de Moro. Uma vergonha

publicado em 27 de Outubro / 2019 às 05:45
olga

E o Desgoverno Desorientado Bolsonaro nao consegue descobri de onde vem, apesar dos barris da shell coligada de Bozo. Abra o jogo MILICIANOS!...

publicado em 27 de Outubro / 2019 às 05:47
welles

Bolsonaro e Moro não vake o que o gato enterra. Vagabundos enganando o Brasil. Gasolina 4.89

publicado em 27 de Outubro / 2019 às 06:36
QUIM

POIS É,SE O VAZAMENTO FOSSE DE UMA USINA NUCLEAR,A ESTA HORA ESTARÍAMOS TODOS FU...RADIOATIVOS E RADIOATIVADOS.MAS,PERGUNTO,SE ESTE DESASTRE HORA EM CURSO NO BRASIL,ESTIVESSE ACONTECIDO DURANTE OS GOVERNOS PETISTAS,COMO SERIA A REAÇÃO DAS AUTORIDADES RESPONSÁVEIS ? DIFERENTE ? TERIAM DE PRONTO A SOLUÇÃO ? JA TERIAM RESOLVIDO TODO O PROBLEMA OU TERIAM FEITO PIOR ? É MUITO FÁCIL ATRIBUIR CULPAS E CRIAR CULPADOS,QUANDO SE ESTA DO LADO DE FORA E NÃO SE TEM A RESPONSABILIDADE DE PROPOR AS SOLUÇÕES ADEQUADAS.

publicado em 27 de Outubro / 2019 às 07:04
iara

Hoje Brasília ta cheia de Laranjas malucos? Queiroz Quim Fernando Bolsonaro filhos Riquíssimos viajando e enganando tirando do povo?. Por isso que Gosto do Blog Geraldo Jose e Blog Brasil247 dos trabalhadores. Saudades do companheiro Paulo.

publicado em 27 de Outubro / 2019 às 09:01
Nonato dos santos

Eu diria que se esse desastre tivesse acontecido no Governo do LULA, com certeza os responsáveis já estariam de alguma forma pagando pela irresponsabilidade e o LULA jamais iria curtir, mostrar status em País estrangeiro, deixando o povo Nordestino à mercê desse veneno destruidor chamado de óleo. No Mínimo, tinha moral suficiente de arregaçar as calças, sujar os Pés e as Mãos junto com seu Povo.

publicado em 27 de Outubro / 2019 às 09:28
coxinha,o cara mais chato de juazeiro

Estariamos todos perdidos.

publicado em 27 de Outubro / 2019 às 09:56
QUIM

IARA-NENHUM DOS FILHOS DO CAPITÃO,QUE SÃO TODOS TRABALHADORES E EMPREGADOS,É RICO TANTO QUANTO QUALQUER UM DOS FILHOS DO 'LULADRÃO',QUE ENRIQUECERAM COM O DINHEIRO QUE O CRIMINOSO,PRESO EM CURITIBA,NOS ROUBOU.ANTES PRODUZIR LARANJAIS,DO QUE FOMENTAR UMA QUADRILHA DE CORRUPTOS,ANTES SER GOVERNADO POR UM MALUCO BEM INTENCIONADO,DO QUE POR UM LADRÃO DO PT CONDENADO.QUANTO MAIS VOCE FALA MAL DO CAPITÃO,MAIS REFORÇA A MINHA CERTEZA DE QUE VOTEI CERTO.AFINAL É O CAPITÃO QUE ESTA SALVANDO A NOSSA NAÇÃO,QUE VOCES DA 'ORCRIMPT' DEIXARAM NA MERDA.VA LER A DELAÇÃO DE PALOCCI E A DO MARCOS VALÉRIO.

publicado em 27 de Outubro / 2019 às 19:55
Edilberto

O professor Heitor disse tudo e com muita clareza, séria uma "Elefante branco" para o Nordeste, um descalabro sem tamanho, políticos sempre visaram o montante de dinheiro envolvido, R$ 132 bilhões de reais vai gerar PROPINAS altíssimas e, todos políticos podem "morder" uma coisinha. O professor é um especialista no assunto, um acidente nuclear proporciona uma reação em cadeia infinita, do átomo do urânio, isso poderia impossibilitar qualquer forma de vida nas margens do velho Chico, durante centenas de anos.

Voltar ao topo
© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2019. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.