Blog do Geraldo José - COMERCIANTES ALERTARAM DURANTE A OBRA DO CALÇADÃO E ÁGUAS DAS CHUVAS E DO ESGOTOS AMEAÇAM INVADIR LOJAS NA BENJAMIN CONSTANT
Vale do São Francisco - 22 de Novembro de 2017
|
Redação: (74) 3613-3479
publicado em 14 de Novembro / 2017 às 10:25

COMERCIANTES ALERTARAM DURANTE A OBRA DO CALÇADÃO E ÁGUAS DAS CHUVAS E DO ESGOTOS AMEAÇAM INVADIR LOJAS NA BENJAMIN CONSTANT

Chegou a tão esperada chuva na região e o sorriso se estampa na cara do Juazeirense, que vem sofrendo com o calor e preocupado com a situação do Velho Chico.

Mas com a chuva, como é de se esperar, outras preocupações, que se relacionam com a questão da fluidez das águas que se acumulam em algumas artérias da cidade, como é o caso de comerciantes que trabalham no Calçadão da Benjamim Constant, na área central de Juazeiro.   

No dia 31 de agosto de 2016 o comerciante Dinart Almeida, que tem uma loja de bolsas e acessórios na rua Castro Alves, na confluência com a Travessa Benjamin Constant que foi transformada em calçadão, procurou a reportagem do blog para expressar a sua preocupação em relação as obras realizadas no período chuvoso.

Na época ele relatou: “Trata-se de uma preocupação porque no período das chuvas as nossas lojas já são invadidas pelas águas e se a parte de engenharia da SEDUH não mudar o contexto da obra, por certo a minha loja vai se transformar numa cachoeira na primeira chuva” expressou o comerciante. Já levei ao conhecimento do Secretário Jorge Barbosa, aos engenheiros e as obras avançam sem nenhuma resposta. Tirei uma foto de dentro da minha loja e vocês vão poder observar que o nível do calçadão está quase 40 centímetros acima do piso da minha loja. O que a gente quer é que a partir da Quintino Bocaiúva o calçadão seja na altura do passeio hoje existente” argumentou Dinart.

O comerciante ameaçou fechar a loja que já funciona há 20 anos. “Não restará alternativa, pois já tomei inúmeros prejuízos e não dá para aceitar essa situação de braços cruzados”.

No mesmo dia, a Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEDUH) procurou o Blog e através de nota informou que já está sendo realizada a topografia para avaliação da drenagem no local. A nota dizia ainda que nas proximidades da Rua Oscar Ribeiro, onde é comum o acúmulo de águas pluviais, será ampliada a manilha (tubo de rede de águas pluviais), bem como serão construídas maiores caixas coletoras de água.

Pois bem, a chuva que cai desde a madrugada foi suficiente para comprovar a preocupação do comerciante, porque as águas pluviais, juntamente, com os dejetos fecais estão invadindo as lojas e os comerciantes já tiveram que providenciar tapumes para impedir o fluxo das águas. Vejam os vídeos enviados pelos comerciantes:

Da redação
POSTAR
9 comentários
Antes de comentar qualquer matéria leia as regras de utilização do blog. Qualquer comentário que violar as regras será automaticamente excluído por nossa equipe.

É proibido inserir links (urls) dentro do comentário, caso contrário o mesmo será deletado por nossa equipe.
publicado em 14 de Novembro / 2017 às 11:40
Cicero

EU SEMPRE FALO, ACREDITEM! EM juazeiro É TODO MAL FEITO. NADA PRESTA.

publicado em 14 de Novembro / 2017 às 12:28
Verdade!

Vejam só, um cidadão que não é Engenheiro conseguiu perceber que algo estava errado. Mas essa gestão incompetente não vê nada. Agora vão dizer que quem mandou a chuva foi a oposição ou que jogaram água dentro das lojas para poder falar mau. Eita governinho ....

publicado em 14 de Novembro / 2017 às 12:52
Micael

Vc já viu esta ou outra administração (que é a mesma, pois Isaac está no 3º mandato) fazer alguma que preste? Se apropriam de obras federais dizendo que foram eles que fizeram, só que, as que eles fazem é uma porcaria. Que engenheiro é esse?

publicado em 14 de Novembro / 2017 às 13:53
o bem observado

deve ser herança maldita dos ultimos oito anos...não...péra...kkkkkkkkkkkkkkk

publicado em 14 de Novembro / 2017 às 14:04
prof° Edi Santana Barbosa

Oh! Meu Deus como as coisas em nossa cidade são revoltantes. Gostaria de saber quem são os engenheiros que liberam essas obras nessas cidades sem o mínimo de critérios técnicos. Agora que vai realizar a topografia e analisar a drenagem, agora que vai ampliar as manilhas e aumentar as caixas coletoras? Jesus Cristo que cidade é essa?

publicado em 14 de Novembro / 2017 às 14:12
prof° Edi Santana Barbosa

Como essa obra irregular existe várias ou quase todas. Avenidas que dão acesso dos bairros ao centro sem ciclovias, pistas com falta de acostamentos, enfim, o período de chuva está começando e o caos vai aparecer. Quem é o engenheiro que libera essas obras tão irregulares nessa cidade?

publicado em 14 de Novembro / 2017 às 14:20
Ivanna Sobrinho

Espero que, depois de artigos sobre o Enem, o professor Otoniel Gondim retorne ao Blog. Sentimos a sua falta, pois , é um dos únicos que escrevem com a razão e a coragem fatos verdadeiro sobre Juazeiro e o Brasil. Queria sobre Juazeiro, viu Gondim?

publicado em 14 de Novembro / 2017 às 14:25
Joselito Alves

Essas coisas acontecem ,porque as coisas são feitas ao Deus dará ,não existe planejamento , as pessoas realizam as obras sem se preucuparem com o que poderá acontecer negativamente , o importante para eles é que seja realizado para que se mostre que foi feito . Querem mostrar status para que se transforme em votos ,a velha politicagem .

publicado em 15 de Novembro / 2017 às 06:26
Emanuel Costa Junior

Em primeiro lugar DINART meus "pêsames" por essa tragedia anunciada a qual sou testemunha viva da sua preocupação. Por inúmeras vezes você abordou os prepostos da PMJ preocupado e alertando do ERRO de engenharia dessa obra de COCÔ, feia sem brilho, sem projeto arquitetônico, hidráulico e de iluminação, uma coisa tipica de uma cidadezinha. Não era pra menos, pois isso ai foi uma permuta entre um determinado empresário e a PMJ onde o empresário levou a vantagem e deixou o restante pra nós idiotas reclamar a DEUS, essa carniça "Juazeiro" nunca mais vai deixa de SER o maior bairro de PE.

Voltar ao topo
© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2017. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.