Blog do Geraldo José - ARTIGO – “VERGONHA DE SER HONESTO...”
25 de Novembro de 2017
publicado em 29 de Outubro / 2017 às 23:00

ARTIGO – “VERGONHA DE SER HONESTO...”

O humorista José Simão, em suas sátiras diárias pelo Rádio no programa do âncora Ricardo Boechat, insinuou de forma jocosa que o Papa Francisco ao canonizar 30 Santos brasileiros, teria esquecido do Lula! Apesar do tom humorístico e sarcástico, a insinuação não deixa de conter uma verdade, visto que o nosso ex-presidente vem conseguindo o milagre de se manter em notória campanha eleitoral, mesmo condenado em um processo e responder a tantos outros...! Outro detalhe importante: nas pesquisas detém o maior índice de REJEIÇÃO (50% da População!) e, ainda assim, é o PRIMEIRO na corrida presidencial para 2018 (30%), o que, também, não deixa de ser um notável milagre! Talvez, nem tanto, porque na verdade o que temos é uma escassez de nomes dignos, ou a nulidade dos nomes existentes que é muito grande!

Para o sossego dos amigos petistas, destaco, porém, que o ponto central do tema desta semana não é o Lula, nem “i santi brasiliani” do Papa, mas gostaria de lembrar de um baiano que bem poderia ser chamado de profeta (vejam, na sequência, as citações de SÃO RUY BARBOSA), visto que no Senado, 103 anos atrás, já profetizava a tragédia que hoje vivemos:

"A falta de justiça, Srs. Senadores, é o grande mal da nossa terra, o mal dos males, a origem de todas as nossas infelicidades, a fonte de todo nosso descrédito, é a miséria suprema desta pobre nação”.

Mesmo com essa relevante lição deixada à posteridade, os parlamentares dos nossos dias não são competentes para assimilá-la, de modo a legislar sempre em função de princípios de justiça e honestidade, nunca em função da barganha e das negociatas que somente tornam os seus votos indignos e vergonhosos. Às vésperas do julgamento do segundo processo contra o Presidente da República, quase UM BILHÃO DE REAIS já tinha sido liberado de Emendas Parlamentares aos deputados em troca da garantia do voto! A vitória alcançada pela segunda vez na CCJ e no Plenário da Câmara, sugere a triste convicção de que o dinheiro tudo pode nesse sistema vigente. Comportamento asqueroso é a única definição condizente para ambos os Poderes:

“A injustiça, Senhores, desanima o trabalho, a honestidade, o bem; cresta em flor os espíritos dos moços, semeia no coração das gerações que vêm nascendo a semente da podridão [...] promove a desonestidade, promove a venalidade; [...] promove a baixeza, sob todas as suas formas”.

A prática de aviltantes atitudes no exercício do cargo somente tem deslustrado o Poder Legislativo, cujo mal exemplo conduz os nossos jovens e a sociedade em geral à assimilação de um caráter torpe, desonrado e marginal. Muito se fala da necessidade de reformas gerais urgentes, mas não se admite que tenha esse Congresso Nacional qualquer credibilidade para realizá-las, uma vez que o ruído dos interesses corporativos, movidos pelas verbas e cargos públicos tem sido o idioma que fala mais alto nas relações institucionais. Ficaria muito feliz se alguém me provasse que estou enganado por essas colocações.

Sempre que se deseja um alento para tanto vexame, é costume se dizer que as práticas de corrupção vêm desde o Império, prenúncio sintomático de acomodação. No entanto, em resumo, vejam ao final do discurso o que disse o Senador Ruy Barbosa:

“No outro regime (na Monarquia), o homem que tinha certa nódoa em sua vida era um homem perdido para todo o sempre, as carreiras políticas lhe estavam fechadas. Havia uma sentinela vigilante, de cuja severidade todos se temiam”.

Inversamente, na República atual, os envolvidos em sujos episódios de corrupção de toda a espécie parecem usar um eficiente produto ante nódoa, e assim conseguem posar de vítimas e perseguidos mártires, não tendo as carreiras políticas jamais interrompidas! E aqui vale frisar bem, que na condição de eleitores temos um “mea-culpa” nisso.

Nada de exacerbado puritanismo político ou moral, mas temos a OBRIGAÇÃO COMO CIDADÃOS de não eleger ou reeleger NENHUM político envolvido em investigação por crimes, condenados ou não. Precisamos dar um basta a essa VERGONHA DE SER HONESTO, antecipada a mais de um século pelo grande Ruy Barbosa!

AUTOR: Adm. Agenor Santos, Pós-Graduação Lato Sensu em Controle, Monitoramento e Avaliação no Setor Público (Salvador-BA). ­­­­­

POSTAR
9 comentários
Antes de comentar qualquer matéria leia as regras de utilização do blog. Qualquer comentário que violar as regras será automaticamente excluído por nossa equipe.

É proibido inserir links (urls) dentro do comentário, caso contrário o mesmo será deletado por nossa equipe.
publicado em 29 de Outubro / 2017 às 23:06
ACORD@DINHO - *_*@*_*

Foram ditas nesse Artigo grandes verdades. O que tem faltado é muita disposição popular para tirar de cena esses maus atores da política. Temos que resolver isso tudo através da Democracia e creio que uma grande oportunidade já está próxima cujo nome é Eleições 2018. Agenor, deu a dica, agora é com a gente!

publicado em 29 de Outubro / 2017 às 23:21
ADRIANA

Sem palavras para esse texto! Concordo com todas as letras, virgulas, aspas e pontos dessa brilhante crônica! (Salvador-BA).

publicado em 29 de Outubro / 2017 às 23:30
FLÁVIO MENDONÇA.’. (I)

Com a sua incrível capacidade de sintetizar a "VERGONHA DE SER HONESTO", obrigando a Sociedade como um todo a repensar, desde agora, que na próxima eleição em 2018, NÃO SE DEVERÁ VOTAR EM NENHUM CANDIDATO À CARGO POLÍTICO ENVOLVIDO EM INVESTIGAÇÃO POR CRIME, CONDENADOS OU NÃO. Há mais de um século o imortal RUY BARBOSA, já profetizava os dias de políticos que seria hoje, somente tem deslustrado o Poder Legislativo movidos pelas verbas e cargos públicos, à exemplo da segunda votação na Câmara e Congresso Nacional. (Continua).

publicado em 29 de Outubro / 2017 às 23:34
FLÁVIO MENDONÇA.’. (II)

(Continuação). Aliás, o Brasil já experimentou em dois episódios o regime parlamentarista, porém, o efeito foi negativo porque os elementos políticos foram sempre aqueles que comungam do mesmo pensamento até hoje. Fundamental deverá ser o aperfeiçoamento político, as conquistas de liberdade e dos direitos humanos que não deverão ser mais utopias por mais tempo. A dignidade humana deverá retornar aos padrões ideais na vida do cidadão brasileiro e a cada dia o homem perceberá o valor existente dentro de si, E COM ORDEM E PROGRESSO O BRASIL DEVERÁ PASSAR A LIMPO ESTE MOMENTO NEFASTO. (Manaus-AM)

publicado em 29 de Outubro / 2017 às 23:59
GERALDINO LIMA

Ainda se fabrica Santo de pau oco? Só fazendo um pra Lulinha... (Salvador-BA).

publicado em 30 de Outubro / 2017 às 03:54
Realista

Um se identifica com o OUTRO, ambos se merecem, Ainda resta um bando de gente maús sucedidos na vida que dependem de FAVORES assistencialistas de políticos do TIPO.... em especial aqui no NE, aqui saímos na frente em tudo a começar por vender a dignidade, é LIXO que procura sua cara metade, gente que não tem o minimo do caráter que ñ teve família ou se quer sabe quem é o pai, é gente que não se respeita ou tão pouco respeita a sua própria família, é gente que se sente de bem com a vida porque comem resto de comida que cai da mesa dos políticos é uma tristeza sem FIM.

publicado em 30 de Outubro / 2017 às 05:55
quim

LULA É O SIMBOLO DE TUDO O QUE NÃO PRESTA,IMORAL,FORA DA LEI,MENTIROSO,IMPOSTOR,LADRÃO,ARROGANTE,UMA VERGONHA PARA O BRASIL,PERANTE O MUNDO !

publicado em 30 de Outubro / 2017 às 07:32
Eden Lopes Feldman

Como sempre, a sua cronica nos provoca reflexões ao mostrar ângulos inusitados da realidade, Agenor. E hoje pude tirar duas conclusões: a primeira, que o verdadeiro líder da pesquisa presidencial é um ser sem forma: a rejeição ao sistema político. A segunda, que como a honestidade deixou de ser uma condição básica para o exercício da política, mas apenas uma retórica nos palanques , teremos que votar em um ser imaginário: o político honesto. FOZ DO IGUAÇU-PR

publicado em 31 de Outubro / 2017 às 15:30
Guarabira Queiroz Lima

Excelente Crônica, Agenor, bem elaborada, erudita, acadêmica e eloquente, disse tudo em relação a atual política brasileira, que a gente fica sem acreditar em quase ninguém, entre esses políticos que militam no momento atual do Brasil. Eu acho que Cristovam Buarque se salva, nessa dantesca "Divina Comédia).

© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2017. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.