Blog do Geraldo José - Cantar “O Ciúme” à beira do Rio São Francisco. Que momento mágico será esse!
20 de Outubro de 2018
publicado em 21 de Dezembro / 2017 às 21:25

Cantar “O Ciúme” à beira do Rio São Francisco. Que momento mágico será esse!

“Fui ver o show de Caetano Veloso em São Paulo. Magnífico. Extasiante. Sublime. O Mestre apresentou algumas de suas últimas primorosas obras, entremeadas por clássicos mais “antigos”.

Na letra de uma das canções que Caetano apresentou (“Funk Melódico”) há um verso contundente: “O ciúme é o estrume do amor”. Essa metáfora se relaciona com outra, também alusiva ao ciúme (de uma letra de Vinicius de Morais): “O ciúme é o perfume do amor”. As imagens, fortes, fortíssimas, são contraditórias, embora verdadeiras (ou não?).

Essas duas metáforas me trouxeram à mente uma canção inteira dedicada ao tema, também de Caetano Veloso. Trata-se de “O Ciúme”, de 1987. Pungentes, melodia, versos e interpretação nos fazem sentir na carne (como diz a própria letra) a força do ciúme como flecha bem no meio da garganta.

Não vou reproduzir aqui a letra inteira. Basta ao leitor entrar no site do próprio Caetano para encontrá-la (e, também, ouvir a inesquecível interpretação). Vou ater-me a algumas passagens do texto, que exigem do leitor/ouvinte alguns conhecimentos para a plena compreensão: “Dorme o sol à flor do Chico, meio-dia/ Tudo esbarra embriagado de seu lume/ Dorme ponte, Pernambuco, Rio, Bahia/ Só vigia um ponto negro: o meu ciúme/ (…) Velho Chico, vens de Minas/ De onde o oculto do mistério se escondeu/ Sei que o levas todo em ti, não me ensinas/ E eu sou só, eu só, eu só, eu/ Juazeiro, nem te lembras dessa tarde/ Petrolina, nem chegaste a perceber/ (…) Sobre toda estrada, sobre toda sala/ Paira, monstruosa, a sombra do ciúme”.

O caro leitor talvez saiba, mas não custa lembrar que Juazeiro (BA) e Petrolina (PE) são separadas pelo Chico, ou seja, pelo rio São Francisco. Unidas por uma ponte, são, como todas as cidades que vivem situação análoga, rivais (aliás, “rival” vem de “rivus”, do latim; significa “regato, ribeiro, corrente de água”). Que me diz agora o caro leitor da imagem da relação entre Petrolina e Juazeiro como pano de fundo para o ciúme?

Caetano se vale de outro detalhe “geográfico”: o rio São Francisco nasce em Minas Gerais (“Velho Chico, vens de Minas…”), e, como bem diz o grande poeta, “…vens de Minas, de onde o oculto do mistério se escondeu…”. Outra imagem antológica, que adensa ainda mais os caminhos tortuosos, ocultos, indecifráveis do ciúme. Existe algo mais misteriosamente oculto ou ocultamente misterioso do que Minas Gerais, suas montanhas e sua gente?

Os versos finais da letra são lapidares: “Sobre toda estrada, sobre toda sala/ Paira, monstruosa, a sombra do ciúme”. Profundo conhecedor dos meandros do idioma, Caetano não empregou a ordem direta no último verso, que certamente empobreceria e enfraqueceria a mensagem.

Para quem não entendeu, explico: na ordem direta, o verso final seria “A sombra do ciúme paira monstruosa”. Será que ainda preciso explicar os belíssimos efeitos da inversão da ordem “natural” dos termos?

Ler uma letra de música, um conto, um poema –uma obra literária, enfim– exige abertura d’alma, conhecimento, cultura, sensibilidade, noções de intertextualidade.

Cantar “O Ciúme” à beira do velho Chico. Que momento mágico será esse! Que inveja, que ciúme...

Pasquale Cipro Neto-professor
POSTAR
4 comentários
Antes de comentar qualquer matéria leia as regras de utilização do blog. Qualquer comentário que violar as regras será automaticamente excluído por nossa equipe.

É proibido inserir links (urls) dentro do comentário, caso contrário o mesmo será deletado por nossa equipe.
publicado em 22 de Dezembro / 2017 às 06:13
Carlao

mais um tirado a inteligente. o ciúme é o estrume do amor kkklk ai o cara vem e diz:que coisa linda. me deixe viu .chega de tanta merda. ainda vem esse me dizer que isso é lindo.

publicado em 22 de Dezembro / 2017 às 09:50
Patricia

Como existe gente ignorante no mundo... Parabéns ao blog por divulgar o belíssimo texto do Prof. Pasquale.

publicado em 22 de Dezembro / 2017 às 09:50
Erivaldo dos SantosPaula

Caetano esteve aqui em Juazeiro uma única vez, se não me engano em 1973, veio conhecer a terra de João Gilberto e prestigiou na época o festival de música da Associação dos Universitário de Juazeiro (AUJ). Quanta inspiração não é mesmo? Escrever uma pérola dessa é pra quem conhece mesmo os meandros da língua portuguesa.

publicado em 22 de Dezembro / 2017 às 10:33
Antônio Francisco

Parabéns ao Professor Pasquale pelo texto e parabéns ao Blog de Geraldo por publicá-lo. Quanto ao Carlão, interessante esclarecer que a frase "o ciúme é o estrume do amor" se refere ao fato de que o estrume aduba e fertiliza a terra, assim como o ciúme em relação ao amor.

© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2018. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.