Blog do Geraldo José - Monitor de Secas chega a Minas Gerais e novas parcerias devem levar o acompanhamento a todo o Brasil
Vale do São Francisco - 25 de Junho de 2019
|
Redação: (74) 3613-3479
publicado em 10 de Janeiro / 2019 às 20:45

Monitor de Secas chega a Minas Gerais e novas parcerias devem levar o acompanhamento a todo o Brasil

O Estado de Minas Gerais foi incluído no Monitor de Secas, processo de acompanhamento regular e periódico da situação de seca, que traz informações e comparativos sobre a evolução da seca de curto e longo prazo, por meio do Mapa do Monitor. O projeto é coordenado pela Agência Nacional de Águas (ANA) e desenvolvido em parceria com diversas instituições estaduais e federais ligadas às áreas de clima e recursos hídricos.

De início, o recorte do projeto foi o Nordeste do País, a região historicamente mais prejudicada por eventos de seca recorrentes e intensos. Agora, com a novidade, todo o Semiárido brasileiro está incluído neste acompanhamento.

Nessa nova fase do projeto, a ANA buscará parcerias que permitam integrar outros estados ao Monitor de Secas, objetivando a cobertura de todo território nacional nos próximos anos. Esta expansão é importante porque todas as regiões do Brasil são afetadas, em maior ou menor grau, por eventos de seca e a adoção de um modelo de monitoramento de secas uniforme, e proveniente de uma base de dados unificada, pode melhorar a gestão de secas no País.

Em 2019, a expectativa é que Espírito Santo e Rio de Janeiro façam parte do Monitor e que haja articulação para a adesão de outros estados, como Goiás e Tocantins. Inicialmente, planeja-se expandir o Monitor para os estados contíguos, de maneira a obter continuidade territorial, mas o modelo de cada região será negociado localmente, respeitando suas características.

“Pretendemos fazer uma expansão progressiva do Monitor. Quanto mais expandido, mais abrangente, mais relevante é o Monitor. Até o mês passado o Monitor de Secas era o Monitor do Nordeste. Agora, chega a Minas Gerais e vamos expandindo para o Sul do País. Essa expansão deve ser feita com cautela, mantendo o padrão de qualidade que o Monitor de Secas tem e sempre trabalhando junto com as equipes de validação do mapa nos estados, de tal sorte que haja um mecanismo de confiança, cooperação e de compartilhamento das decisões”, avalia Ney Maranhão, diretor da ANA.

A previsão inicial é que em cinco anos o Monitor de Secas tenha chegado a todas as unidades da Federação.

CHBSF
POSTAR
nenhum comentário
Antes de comentar qualquer matéria leia as regras de utilização do blog. Qualquer comentário que violar as regras será automaticamente excluído por nossa equipe.

É proibido inserir links (urls) dentro do comentário, caso contrário o mesmo será deletado por nossa equipe.
Voltar ao topo
© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2019. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.