Blog do Geraldo José - LEITOR DENUNCIA ABUSO DE AUTORIDADE NO MERCADO DO PRODUTOR DE JUAZEIRO, AMA RESPONDE
Vale do São Francisco - 25 de Maio de 2019
|
Redação: (74) 3613-3479
publicado em 06 de Maio / 2019 às 11:30

LEITOR DENUNCIA ABUSO DE AUTORIDADE NO MERCADO DO PRODUTOR DE JUAZEIRO, AMA RESPONDE

Geraldo sou usuário do Mercado do Produtor de Juazeiro há muitos anos e gostaria de pedir sua ajuda para fazer uma denúncia a respeito da administração do mercado.

Pois bem!!

Me refiro a medidas que foram adotadas recentemente a respeito dos ambulantes que trabalham e sustentam suas famílias vendendo marmitas com cuscuz e mistura (apenas um lanche matinal) foi decidido em reunião com os donos de restaurantes que os mesmos estavam prejudicando o comércio deles por apresentar uma refeição de mais fácil acesso e mais em conta (a preços populares) e a administração do mercado por querer agradar os permissionários que pagam altos preços de aluguel dos seus pontos comerciais e que foram reajustados recentemente em até 300%... tomou a decisão arbitrária e sem nenhum aviso prévio de proibir a entrada e a circulação de ambulantes vendendo as marmitas (lanche) alegando falta de registro dos ambulantes sendo que foi exigido de todos ano passado a realização de um cadastro onde todos disponibilizaram seus dados para a permissão de trabalhar.

Esse registro não foi levado em conta na hora da efetivação da permissão.  Tem um casal específico que vendia cuscuz no interior do mercado há mais de 3 anos, eu tomava o meu café da manhã com eles e de repente foram expulsos de dentro do mercado pela administração alegando que era ordem da vigilância sanitária e posteriormente passou a ser ordem dos donos de restaurantes do interior do mercado.

O citado casal como guerreiro que é posicionou o seu carrinho com lanche para vender próximo a entrada do mercado. O administrador grita com os guardas pelo rádio e dá ordens para não deixar os mesmos entrar com as marmitas na sacola para entregar aos clientes e agora por último proibiu até dos próprios clientes de entrar com mais de uma marmita em mãos, caracterizando perseguição. Nos ajude, pois acreditamos no poder da imprensa como veículo de comunicação para amenizar as injustiças sociais, pois não existe em lugar algum tanto abuso de autoridade que possa proibir pessoas de ganhar seu pão honestamente.

Atenciosamente,

Sérgio Roberto

NOTA AMA

A direção da Autarquia Municipal de Abastecimento/AMA informa que dentro da atividade de comércio ambulante não é permitida a venda de refeições preparadas fora do Mercado do Produtor de Juazeiro, que deve obrigatoriamente estar acondicionada em embalagem apropriada e preparada no local de comercialização, ou seja, nas dependências do entreposto.

A AMA informa ainda que a direção do Mercado segue as normativas da Vigilância Sanitária e preza pela saúde dos consumidores e a higiene. Não há como controlar as refeições que são feitas fora do Ceasa e saber a maneira do preparo desses alimentos. 

Os ambulantes autorizados têm a permissão de comercializar os lanches rápidos que dispensam uso de embalagens, como salgados e doces, refrigerantes, sucos, acessórios pessoais, balas, picolés, entre outros. 

A AMA informa ainda ao leitor que o casal teve orientação da administração para buscar um espaço adequado no Ceasa de Juazeiro e comercializar as refeições.

POSTAR
15 comentários
Antes de comentar qualquer matéria leia as regras de utilização do blog. Qualquer comentário que violar as regras será automaticamente excluído por nossa equipe.

É proibido inserir links (urls) dentro do comentário, caso contrário o mesmo será deletado por nossa equipe.
publicado em 06 de Maio / 2019 às 12:06
Eu heim me poupe

É Sr. Sérgio! A GANÂNCIA e USURA destes donos de restaurantes é uma ABERRAÇÃO. conheça muito bem a feira de São Joaquim!Todos donos de restaurantes e ambulantes vivem em paz e todos fazem negócios. os daqui Não pensam no seus SEMELHANTES que trabalham para levar o pão de cada dia para sua casa! Esta situação só vai mudar quando este povo que TOMOU CONTA DE JUAZEIRO deixar de governar inclusive o mercado do produtor! Espero em DEUS que tenhamos futuros governantes sem GANÂNCIA E PODER.

publicado em 06 de Maio / 2019 às 12:07
Eu heim me poupe

É Sr. Sérgio! A GANÂNCIA e USURA destes donos de restaurantes é uma ABERRAÇÃO. conheça muito bem a feira de São Joaquim em SALVADOR !Todos donos de restaurantes e ambulantes vivem em paz e todos fazem negócios. os daqui Não pensam no seus SEMELHANTES que trabalham para levar o pão de cada dia para sua casa! Esta situação só vai mudar quando este povo que TOMOU CONTA DE JUAZEIRO deixar de governar inclusive o mercado do produtor! Espero em DEUS que tenhamos futuros governantes sem GANÂNCIA E PODER.

publicado em 06 de Maio / 2019 às 12:12
Alberto

É necessário a população juazeirense dar a resposta nas urnas a este governo miserável.

publicado em 06 de Maio / 2019 às 12:12
Alberto

É necessário a população juazeirense dar a resposta nas urnas a este governo miserável.

publicado em 06 de Maio / 2019 às 12:21
Ricardo terranova

Verdadeiro essas pessoas são o diferencial tem boa comida e ótimos preços , é uma injustiça com essas pessoas que batalha todos os dias para viver uma vida digna com esse trabalho de jogo de cintura e empreendidorismo.

publicado em 06 de Maio / 2019 às 14:32
Fernanda

Não acho que seja errado não. Tá certo sim, existem inúmeros restaurantes dentro do mercado do produtor, e cada permissionário paga um absurdo de taxa de administração ali dentro, fora quando a fiscalização visita que exige várias mudanças, é justo com os proprietários dos restaurantes!!!

publicado em 06 de Maio / 2019 às 16:10
Francisco José

Com a palavra os verdadeiros fiscalizadores do município ,eu quero fazer uma pergunta :Aonde estão aplicando o dinheiro que todos os carros e caminhões que entra no Ceasa paga para entrar ?Para onde esse dinheiro ta indo ?Porque desde as 2 horas da manhã que começa a entrar carros os dependente do transporte de for caminhão é era 20 reais depois os outrosenores é 10 e 5 reais ,imaginem quanto eles arrecada por mês ?E para onde esse dinheiro ta indo ?com a resposta os vereadores ,me respondam ai por favor,Geraldo um grande abraço que Deus abençoe vc e toda a sua equipe de profissionais

publicado em 07 de Maio / 2019 às 10:32
Tatiane

Isso é uma injustiça sem tamanho,sem previo aviso tiram as pessoas aonde estão há 3 anos.Os mesmos não fogem de pagarem,fizeram cadastro.Mesmo assim sem pensar que são pais e maes de família.Me desculpem falarem que é a vigilância pq um mês antes desse acontecido os mesmo foram paro por uma dona de restaurante na banana e aviso que irão bara-lo,mesmo os mesmos com cadastro e documentos entregues a ama.O pior os clientes são barados se levarem mais de 2 marmitas de lanche para dentro do Ceasa.Me digam se não é perseguição,os mesmo tem que alugarem um local sendo que ficam até 8:30 no Ceasa

publicado em 07 de Maio / 2019 às 10:38
Felisberto felix

Opa.o que diz o artigo 5° ,que todos são iguais perante a lei sem distinção de qualquer natureza garantindo _se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país a inviabilidade do direito a vida e a liberdade ...no artigo Xlll diz que e Livre o exercício de qualquer trabalho ,ofício ou profissão,atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer. A questão e estão proibindo que a gente circule nas imediações no mercado isto está certo???a ama diz que sim e agora?????

publicado em 07 de Maio / 2019 às 10:40
Felipe

Isso é muita injustiça barrar trabalhadores... Inveja dos restaurantes se não tão ganhando bem vai vender cuscuz também.

publicado em 07 de Maio / 2019 às 10:51
Bruno

Vigilância sanitária? Nunca vi uma dessa no Ceasa. Se fosse o CEASA parava é barata para todo lado eu apoio esse casal

publicado em 07 de Maio / 2019 às 11:08
Sérgio

Quanto a defesa da AMA ... O referido casal tem MEI aberto é ativo como ambulante e não foi nem mencionado o caso de fiscalizar a cozinha dos mesmos ..pela vigilancia sanotaria do município .o problema não ...quer dizer que se uma pessoa que tem comércio dentro do mercado comprar 10 marmitas para seus funcionários (fora do CEASA em um restaurante qualquer da vida) quizer entrar com as mesmas para serem consumidas no interior do mercado serão proibidas de entrar ? Tudo balela !!!! Oque existe é um jogo de interesses onde onde a corda arrebenta do lado mais fraco

publicado em 07 de Maio / 2019 às 11:15
Jose carlos

Tudo balela Não foi feita nem uma fiscalização por vigilancia sanitaria nenhuma que aliás se fizesse iria multar a própria AMA pela falta de higiene do mercado em si...ai fazem vista grossa ...pensam que podem tudo ppr estar com o poder na mão ...cuidado 2020 bem aí... Isso é um reflexo do que esta acontecendo em nosso país onde quem trabalha é humilhado e quem tem cargos publicos por uma indicação sem conpetencia nenhuma na area e sem conhecer de nada oculpa cargos como esse ....parabens peeseguidores do povo trabalhador ...vcs deviam se envergonhar ...vcs e eu sabem que não se trata de higie

publicado em 07 de Maio / 2019 às 11:39
Felisberto felix

Opa.o que diz o artigo 5° ,que todos são iguais perante a lei sem distinção de qualquer natureza garantindo _se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país a inviabilidade do direito a vida e a liberdade ...no artigo Xlll diz que e Livre o exercício de qualquer trabalho ,ofício ou profissão,atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer. A questão e estão proibindo que a gente circule nas imediações no mercado isto está certo???a ama diz que sim e agora?????

publicado em 07 de Maio / 2019 às 13:49
Odilon

Então salgados e doces não necessitam seguir as normas da vigilância Sanitária, por não precisarem de embalagem? Por serem lanches rápidos são feitos dentro do Mercado? Ou melhor são ao menos fritos dentro do Mercado? Cada desculpa, está na hora de serem ao menos transparentes e se dignarem a informar a população porque a uns são permitidos e outros não.

Voltar ao topo
© Copyright Blog Geraldo José. 2009 - 2019. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.